Você sabia que…

-Enquanto filas de espera aumentam e hospitais ficam sem equipamentos o SUS gastou, só em 2008, quase 7 milhões de reais em procedimentos sem a menor validade científica como homeopatia e acupuntura?

-Apesar de o Brasil ser um país laico, a igreja católica recebe inúmeros benefícios indevidos do governo como total isenção fiscal, verbas para ditos ‘serviços sociais’ e manutenção de igrejas, e agora ainda vai poder pregar livremente em escolas públicas?

-As ciências humanas no Brasil, embora fundamentais para o desenvolvimento social do país, são dominadas por uma atitude anti-científica de descaso por evidências, onde predominam teorias ultrapassadas e pseudociências?

Sobre André Luzardo

Holds a BSc in Mathematics from the University of Edinburgh. PhD researcher in Computer Science at City University London. Interested in computational models of Behaviour, Learning and Interval Timing. Skeptic activist. Follow me on Facebook @ndrluzardo. Matemático pela University of Edinburgh. Doutorando em ciências da computação na City University London. Pesquisador nas áreas de percepção temporal, aprendizado e modelagem computacional do comportamento. Ativista cético nas horas vagas. Siga-me no Facebook @ndrluzardo.

Publicado em 20/02/2010, em acupuntura, Campanha, ciências humanas, homeopatia e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 9 Comentários.

  1. Bom, como posso começar… Hoje recebi o folheto de vocês, mas nem tinha dado muita atenção. Um amigo meu me mostrou. Até certo ponto, concordei com o que vocês querem dizer. Mas já começaram com algo que tenho pensado muito ultimamente, e que não tem me deixado muito satisfeito.
    Acho interessante a ação de vocês. Mas têm começado de uma das formas que mais me aborrecem – ao invés de manterem-se num ponto neutro, com humildade, já foram puxando para um lado que considero uma grande ignorância.
    Tudo bem que hospitais carecem de muitas coisas e que foi gasto todo esse dinheiro com procedimentos sem validade científica. Certo. Mas funciona? Se sim, por que não procurar compreender como isso acontece? Mas ao invés disso, rebaixam um conhecimento somente por ele não ter validade científica. Ou melhor, somente pela ciência não conseguir explicar. Como se a ciência fosse tudo que nós temos. Como se ela estivesse na frente de tudo. Minha irmã foi curada com homeopatia (quando era bebê, o que faz-me julgar que o tal efeito placebo não parece ser tão verdadeiro quanto dizem), e a acupuntura parece funcionar. Mas fazem tudo isso só porque a ciência ainda não consegue enxergar. Ah, me poupe.
    Primeiramente, existem diversas questões com as quais o método científico não consegue lidar. A própria ciência não é explicada pelo método científico. A ciência humana não pode ser embasada no método científico, uma vez que não se sabe o que é realmente certo ou errado, ruim ou bom.
    Portanto, acredito que a melhor forma de se iniciar isso é retornarmos à forma humilde, àquilo que realmente somos – nada (ou quase isso). Até onde posso ver, o conhecimento é ilimitado, e mesmo que obtenhamos um conhecimento inimaginável, somos apenas humanos. Mesmo que adquiramos todo esse conhecimento, a chance de ser tudo mentira existe.
    Ou seja, antes de tudo, antes de ser cientista ou religioso, cético ou místico, pelo menos seja humano. Acho que esse é o ponto.

    Grato pela atenção.

  2. @Gustavo

    Você disse:
    “Tudo bem que hospitais carecem de muitas coisas e que foi gasto todo esse dinheiro com procedimentos sem validade científica. Certo. Mas funciona? Se sim, por que não procurar compreender como isso acontece?”

    Concordo plenamente. O problema é que não funciona!

    “Mas ao invés disso, rebaixam um conhecimento somente por ele não ter validade científica.”

    A palavra ‘conhecimento’ é usada com muitos significados. Se você se refere ao conhecimento objetivo do mundo natural, como as coisas funcionam, etc, então este só pode ser gerado pela ciência. Portanto, se algo não tem validade científica não pode ser um conhecimento. E o que a ciência nos mostra até agora é que a homeopatia tem tanto efeito quanto um placebo. E sim, o efeito placebo é verificado tanto em adultos, bebês ou mesmo em animais muito distantes do humano.

    O caso da sua irmã por exemplo deve ser analisado com cuidado. Que tipo de doença ela tinha? Foi diagnosticada corretamente? Essa doença era passível de remissão espontânea como muitas são? Ela já estava tomando outras medicações? Tudo isso deve ser levado em consideração antes de podermos afirmar que algumas gotas de água (pois é apenas isso em que consiste a homeopatia: água) foi o que curou alguém.

    Se você submeter o método científico a uma cuidadosa análise filosófica vai realmente perceber que existem sim questões em aberto. No entanto dúvidas filosóficas muito similares existem sobre a validade da informação sensorial e de nossa própria existência. O cético radical é cético até quanto ao seu próprio ceticismo. É necessário portanto partir de algum ponto. Tomando os dados dos sentidos como praticamente certos, segue-se invariavelmente a quase-certeza da ciência. Ela pode ter vários problemas mas ainda é a única maneira que temos de adquirir novos conhecimentos.

  3. Pois é, geralmente os céticos atribuem ao conhecimento características que lhe são viáveis, apesar de haver várias interpretações para o conhecimento, como se sua definição fosse a ideal. O que me parece é que a única verdade que conseguimos alcançar é a nossa própria verdade. Ou seja, cada um percebe o mundo de sua própria forma, formando assim, sua própria verdade. Isso quer dizer que existem várias verdades. Pelo menos é o que parece. Mas a verdade absoluta, ou seja, aquela verdade que sobrepõem-se às verdades individuais, parece ser o objeto que a ciência procura compreender. Porém, na minha mente limitada, não consigo enxergar que algum humano possa algum dia compreender essa verdade – ou seja, ela parece ser inacessível.
    O que acontece é que, aparentemente, a ciência consegue explicar fenômenos que são aceitos (ou não) pela nossa verdade individual, como se fosse compatível. E isso é bom, porque acho que ao mesmo tempo une essas realidades, pois semelhanças passam a aparecer. Mas mesmo assim, ainda assim, a ciência pode ser algo criado em minha mente agora. Talvez tudo isso que penso ter o conhecimento tenha aparecido agora, talvez eu tenha aparecido agora, nada prova que eu existi todo esse tempo que penso ter existido. Assim a ciência pode ser só mais uma dessas informações introduzidas naquilo que chamo de mente.
    O que quero dizer é que, realmente, a ciência tem vários problemas e VAI continuar tendo. Não que não devamos nos embasar nela. Pelo contrário, ela é um caminho bastante seguro. Só que outras formas de conhecimento (no MEU conceito de conhecimento), somente por não terem esse valor científico que dizem, seja por serem tão abstratas ou por conterem características que ultrapassam a forma de avaliação da ciência, não deveriam ser tratadas como lixo, visto que, como citado anteriormente cada um possui sua verdade. Se a pessoa vê auras ela é mentirosa, justamente pela ciência não conseguir explicar isso, por exemplo? (quero dizer, não sei se ciência já conseguiu compreender esse caso… ) Quando em treinos de artes marciais usamos termos como “ki” ou “energia”, estamos apenas sendo tolos por em acreditar algo do tipo? Hmm, eu acho que não. Mas claro, a não ser que me apareçam provas claras que refutem tudo isso. Eu, por exemplo, acredito que todas as coisas operantes no plano mental podem existir, é só uma questão de adaptação. E podem perfeitamente ser explicadas cientificamente.
    Mas enfim, até aí tudo bem. Gostei da atitude de vocês. Hoje houve aquele encontro? Eu gostaria de ir, mas tive problemas.
    Mas, bem, uma coisa que eu gostaria de entender é… Se vocês vão se embasar no agnosticismo, por que toda essa propaganda atéia no site? Tudo bem que os ateus precisam lutar contra o preconceito da sociedade… Mas precisa disso tudo? Quase metade dos links aqui são sobre isso. O link da organização do Dawkins, o maior símbolo do neo-ateísmo? Pra mim isso é o mesmo que colocar propaganda de religiões e igrejas… Não é algo muito legal a se fazer, eu acho, especialmente carregando o nome “USP”… Mas essa é a minha opinião. Fora isso, repito, gostei da iniciativa de vocês. Vocês têm suas opiniões e tal, mas estão tendendo muito pra um lado ao invés de voltar àquela “humildade humana” que eu já havia citado, à neutralidade (eu não sou um bom exemplo de ser humano, mas ainda acho que todos deveriam ter no mínimo a consciência de que não sabem de quase nada).
    Bom, é isso e até mais.
    Desculpem-me por qualquer coisa, pela minha própria ignorância. Sinto que vou escrevendo as coisas e vou perdendo o rumo, mas… É isso.

  4. Gustavo, considero muito importantes suas participações, considero também muito importante criar espaços para discutir esse tipo de coisas. Porém, gostaria de sugerir que centramos a discussão tópico a tópico, que encerrássemos primeiro a discussão sobre homeopatia antes de começar uma outra acerca de religião, por exemplo. Entendo o empolgante que são as vezes essas discussões, nas que é comum pular de um tópico para outro, mas acho apropriado dar um encerramento a cada um dos temas, você que acha?
    Então, vamos discutir um pouco mais sobre homeopatia? ou você prefere entrar de cheio no tema da religião? ou talvez sobre algum outro tema.

  5. Bom, prefiro falar sobre religião do que sobre a existência ou não daquilo que costumam chamar de Deus e semelhantes (não por questão de crença ou descrença minha, mas sim porque acho bastante complexo). Seria bom ter uma discussão sobre os efeitos da religião na sociedade, sua influência negativa (que claramente parece existir) e sua influência positiva (que também creio ser perceptível). Mas com a minha falta de tempo (acabei de entrar na graduação e a coisa já tá complicando…) eu acabaria dando respostas atrasadas. Também, é claro, com minha falta de conhecimento ficaria um pouco difícil, eu acho.
    E sobre aquilo que eu havia dito sobre os links da Sociedade Racionalista, eu realmente achei sério. Pois isso é tendencioso, ao menos para uma sociedade que se diz agnóstica. Especialmente não havendo links sobre teísmo, por exemplo, para equilibrar-se com os outros links e então manter o tal caráter agnóstico da sociedade. Isso induz as pessoas acreditarem que quem é racional e quer o bem da sociedade são os ateus… Ou melhor, se é agnóstica, não deveria ter links nem de um, nem de outro lado, não faz sentido. E não é certo haver esse tipo de tendência, não mesmo, pelo menos em relação àquilo que a Sociedade Racionalista diz ser.
    Sobre a homeopatia… Acho que existem assuntos mais interessantes para se estender, portanto serei breve (ou pelo menos tentarei). Bom, minha mãe disse que minha irmã tinha menos de um ano de idade. Ela tinha crises de bronquite, que segundo ela tenderia a piorar e então tornar-se uma bronquite crônica, asmática, que seria carregada pelo resto de sua vida. E, novamente, segundo a minha mãe, por ser algo que tendia a piorar, não havia chances visíveis dessa doença desaparecer naturalmente. Minha irmã não foi sujeita a nenhum outro tratamento além da homeopatia. Claro, talvez vocês entendam mais sobre doenças do que nós, então podem ter uma explicação mais palpável sobre o que houve.
    Queria falar sobre algo um pouco diferente, que acho que seria interessante e simples discutir, algo que eu pensava há algum tempo…
    Sabemos que muitas doenças são genéticas e que muitas outras não a são, pelo menos não diretamente, mas que são influenciadas pela deficiência do corpo, ou seja, genética. Que tal se o governo investisse em testes que, através da analise do DNA de um casal, pudessem prever possíveis doenças e deficiências genéticas que seus filhos poderiam ter, para que tomem decisões com mais consciência e para que se preparem? Já existem projetos do tipo no Brasil? A ciência atual daria suporte à isso?
    Bom, são essas questões que deixo. Obrigado pela atenção e até mais.

  6. Gustavo, coloquei dois textos do Russell na seção biblioteca do site (Am I an Atheist or an Agnostic? e What is an Agnostic?) que acho que responderão às suas dúvidas sobre as distinções entre ateísmo e agnosticismo. A diferença entre os dois pontos de vista é importante filosoficamente mas em prática muito pequena. Que não se pode provar nem refutar a existência de deuses é algo que praticamente todos ateus concordam, principalmente Dawkins. No entanto, quase nenhum agnóstico diria que as chances de existência ou não-existência de deuses é 50-50. Não se pode provar a existência do deus judaico-cristão assim como não se pode provar a existência de Zeus, Hera, Thor, Tupã e do Monstro de Espaguete Voador, portanto deveríamos ser agnósticos sobre esses deuses também. Mas você realmente acha que pode existir um deus feito de espaguete? Existem infinitas coisas que não podemos provar nem refutar, mas somente algumas realmente merecem tal consideração a ponto de sermos forçados a nos pronunciar agnósticos quanto à elas.
    Apareça em uma de nossas reuniões. Você vai encontrar várias pessoas mais do que dispostas à discutir todo e qualquer tema!

  7. Sobre Deus… Acreditar em Deus? Depende. A qual concepção de Deus se refere? Se eu der a um computador o nome de Deus? Hmm, acho que posso acreditar nele então. O Deus cristão é só mais uma concepção de Deus. Cada um pode ter sua concepção de Deus, uma concepção que pode ser diferente de todas as outras. Talvez não seja possível comprovar essa existência divina para si mesmo e, justamente por isso, não é aconselhável tentar pregar tal coisa. Na minha concepção de Deus, tal coisa não pode ter um formato, pois nessa minha concepção precisa ser imaterial. A existência de um Deus feito de espaguete, portanto, não é compatível com a minha concepção. Além do que, ele não é “um”, pressupondo que existam outros, mas sim “o”, pressupondo que seja o único.
    Enfim, Deus é só um nome para se referir a algo. Aquilo que chamo de Deus é assim chamado para adaptar-se aos dias atuais. Posso chamá-lo de O Todo, ou A Verdade. Talvez eu não possa provar minha concepção para mim mesmo, mas não a vejo em nada me prejudicar ou prejudicar outras pessoas. Pelo contrário, é uma concepção que me faz acreditar que existem outros caminhos para se compreender algo e alcançar algum objetivo, estando certo de que há mais a se descobrir. Desejo fazer pesquisas em breve. Mas o que isso tem a ver? Bom, acreditando que existem diversos caminhos, estarei certo de não desistir de meus objetivos.
    O que eu vejo é que muita gente não gosta mesmo de algumas religiões e de seus deuses, e então generalizam as concepções de Deus. Daqui a pouco o preconceito não será com ateus, mas sim com teístas. Afinal, os teístas são os “burros” sem razão por acreditarem em algo que possivelmente não existe e que se matam fazendo guerras, e os ateus são os racionais que acreditam que algo possivelmente não existe e que querem o bem do planeta… Não é?

  8. Concordo plenamente Gustavo, fiquei bastante satisfeita com suas exposições.
    Faz alguns dias que acompanho o site. Gostaria de ter a mesma sutileza para expôr minhas opiniões, como não tenho, já fico feliz que alguém consiga fazer isso por mim.

    Só mais uma coisa.
    Quantos cientístas já não foram tachados como loucos por apenas não conseguirem provar algo que apenas eram incapazes de fazer com que outros entendessem. Religiosidade, fé, ciência, filosofia: não é possível que nunca se depararam com nada que não conseguiram explicar, mas que nem por isso deixaram de viver ou de sentir.

    Agradeço ao pessoal do site a abertura desse espaço para discussões.

  9. Bom, tem muitas coisas que pertencem ao âmbito pessoal e como tal devem ser respeitadas, porém, existem alguns tópicos relacionados com religião que valeria a pena discutir mais a fundo, pensando nisso propomos a apresentação de um documentário: Jesus Camp http://en.wikipedia.org/wiki/Jesus_Camp. no prédio do departamento de física da USP de Ribeirão Preto, com data ainda por definir.
    Aproveito sua ativa participação para convidar vocês ao filme e ficar de olho da data que vai ser publicada o site.

%d blogueiros gostam disto: