Aborto: para onde aponta a evidência

Uma investigação recente feita pelo Guttmacher Institute revelou dados interessantes sobre a questão da legalização do aborto. Essa discussão, particularmente no Brasil e nos USA, é dominada por religiosos que se posicionam fervorosamente contra e que distorcem o debate se auto-intitulando ‘pró-vida’ e criando a falsa impressão de que quem não está do lado deles só pode ser ‘pró-morte’. Poucas são as vozes racionais que tentam se ater aos fatos. E os fatos, de acordo com a investigação, são os seguintes:

  • Enquanto que a incidência de abortos está diretamente relacionada ao número de gravidezes indesejadas, ela não está correlacionada com o status legal do aborto. O número de abortos é praticamente igual em países onde é legal e onde é altamente restrito. A única diferença está na segurança — abortos ilegais e clandestinos causam prejuízos significativos na saúde de mulheres, especialmente nos países em desenvolvimento;
  • Abortos pouco seguros causam um número estimado de 70.000 mortes por ano, e outras cinco milhões de mulheres são tratadas anualmente por complicações resultantes de abortos inseguros. Aproximadamente três milhões de mulheres que sofrem sérias complicações por procedimentos inseguros não recebem tratamento apropriado.
Ou seja, proibir o aborto não leva à nenhuma redução no número de procedimentos realizados. O único resultado da proibição são abortos ilegais de alto risco para a mulher.
Com base nos dados, o levantamento recomenda:
  • Expandir o acesso à contraceptivos modernos e melhorar serviços de planejamento familiar;
  • Expandir o acesso ao aborto legal e assegurar que serviços seguros e legais de aborto estejam à disposição de mulheres que deles precisem;
  • Melhorar a cobertura e qualidade dos cuidados pós-aborto, que reduziriam a mortalidade materna e complicações geradas por abortos inseguros.

Sobre André Luzardo

Holds a BSc in Mathematics from the University of Edinburgh. PhD researcher in Computer Science at City University London. Interested in computational models of Behaviour, Learning and Interval Timing. Skeptic activist. Follow me on Facebook @ndrluzardo. Matemático pela University of Edinburgh. Doutorando em ciências da computação na City University London. Pesquisador nas áreas de percepção temporal, aprendizado e modelagem computacional do comportamento. Ativista cético nas horas vagas. Siga-me no Facebook @ndrluzardo.

Publicado em 28/03/2010, em aborto, políticas baseadas em evidências e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. Comentários desativados em Aborto: para onde aponta a evidência.

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: