Espiritismo no Brasil e a Dissonância Cognitiva

Traduzido da Revista Skeptical Inquirer

Na Europa continental e particularmente no Brasil, um braço do espiritualismo denominado espiritismo se desenvolve e evolui numa nova religião.

Todos já vimos as antigas imagens vitorianas sobre fantasmas em lençóis brancos e em fotos desagradavelmente mal feitas de espíritos criados a partir de dupla exposição, principalmente resultado do movimento espiritualista no Reino Unido e nos Estados Unidos. O movimento atingiu seu auge no final do século XIX, sendo considerado um modismo dos dias atuais quase um século depois.

Porém, em alguns países, especialmente na Europa continental e particularmente no Brasil, um braço do espiritualismo denominado espiritismo ainda é muito significativo e continua evoluindo, fazendo-o um exemplo formidável do desenvolvimento de uma nova religião. Seus seguidores irão logo enfatizar a distinção entre a visão mais ampla do espiritualismo e do espiritismo, o qual foi fundado por um francês chamado Hypolite Rivail (1804-1869) sob o pseudônimo de “Allan Kardec.” Esse modismo, ou falácia, vem sendo promovido em nome da ciência.


Chico Xavier

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o qual conduz os censos oficiais, o Brasil possui o maior número de espiritistas no mundo: por volta de 2,3 milhões de seguidores, quase 1,3% da população total, e o terceiro maior grupo religioso, atrás somente dos católicos e evangélicos (1)

Todos esses três grupos são cristãos. Os espiritistas brasileiros dão especial ênfase para “O Evangelho Segundo o Espiritismo.” O líder mais importante desse movimento no Brasil, Francisco “Chico” Xavier (1910-2002), é nosso maior foco de interesse aqui, pois simboliza o espiritismo brasileiro.

Chico Xavier é considerado um médium. Porém sua maior forma de mediunidade é a “psicografia”, isso é, a escrita automática pela qual ele afirmava contactar pessoas mortas por meio de cartas “escritas” pelo morto, e também por meio de livros “escritos” por autores famosos já falecidos.

Vendendo esses livros “psicografados”, os quais Xavier escreveu por volta de 400, o movimento conseguiu florescer e promover trabalhos de caridade num loop auto-alimentado onde cada elo reforça o outro, tendo-se Xavier em seu topo. Obviamente não era nenhum Saxy Sadie, mas, mesmo em vida, Xavier vivia modestamente e nunca se casou, sendo adorado como um tipo de santo ascético. Não há evidências de que sua imagem divulgada por seus seguidores não fosse verdadeira. Quase uma década após sua morte, e no centenário de seu nascimento, sua vida foi dramatizada e divulgada em filme (2), é quase impensável questionar a pessoa pública de Xavier.

Mas uma análise crítica dos poderes paranormais de Chico Xavier rapidamente revela sua maior falha. Fiquei surpreso. Até o momento em que me aprofundei na pesquisa, sempre assumi que as afirmações de Xavier tinham algo de verdadeiro. Se não eram um fenômeno paranormal autêntico, pensei que ao menos se chegaria a algo insolucionado ou intrigante. Mas não foi o caso.


“Odorização”

Um amigo íntimo, Vitor Moura Visoni (3), procurou encontrar um dos maiores e mais íntimos afiliados de Xavier, Waldo Vieira, para verificar se Xavier promovia eventos fraudulentos. Vieira deveria saber disso, pois estava com Xavier.

“Trabalhadores do Centro Espírita faziam fila para conseguir detalhes de falecidos ou se utilizavam de histórias contadas pelos parentes nas cartas onde pediam por um encontro. As mensagens de Chico tinham essa informação”, Vieira revelou. Isso poderia explicar as cartas “psicografadas” com detalhes que “somente os mortos sabiam”. Mais que uma simples “leitura fria”, era justamente um falsificação legítima. Havia outras falsificações, de acordo com Vieira.

“Vi que [Chico Xavier] estava conduzindo algumas sessões espíritas nas quais eu não era participante … onde algumas pessoas às vezes relatavam sobre os perfumes de Scheila [o espírito] … [Então] um dia … ele foi colocar algo no correio, … fui até seu quarto, o qual estava com a porta aberta, pretendendo fechá-la. Quando cheguei lá, vi um saco cheio de frascos… Ele usou os perfumes… e eram de rosas … [Perguntei— o sobre isso] então Chico começou a chorar na minha frente.”

O uso de odores supostamente de origem sobrenatural é um truque espiritualístico comum. Tanto que o líder espiritista e mais destacado “médium” do Brasil o utilizou, de acordo com um de seus afiliados mais íntimos, é algo bastante revelador.

Mas nada ganha do caso de Otília Diogo.


Irmã Josefa

Olhe essa foto. É parte de um show de comédias? Pode ser engraçada, mas intencionalmente não é. A foto foi tirada em 1964, e o homem sorridente de óculos de sol é o próprio Chico Xavier. A pessoa coberta pelo lençol branco é a médium Otília Diogo, ou como os espiritistas acreditam, a “materialização” do espírito de Josefa em ectoplasma. Graças à mediunidade de Otília Diogo, é claro.

Outras fotos claramente mostram a médium atrás do véu, e, de fato, o véu possui uma parte retangular semi-transparente para permitir que Otília pudesse enxergar. A suposta materialização ectoplásmica pode ser tocada e também segurar uma bíblia. Isso é realmente muito material. E até mesmo os crentes noticiaram como a médium, Otília, possuía uma similaridade marcante com a face do espírito (abaixo).

E assim acreditaram. E ainda acreditam nisso. Xavier estava lá e enfaticamente afirmou que a materialização era real e autêntica. Mas o caso logo se tornou uma grande confusão.

As fotos foram tiradas pela revista Cruzeiro, a qual possuía a principal prioridade de vender mais revistas. Primeiro promover e então expor a fraude serviu como uma luva. Após publicar primeiramente um artigo no qual questionavam se as “materializações de Uberaba” eram reais e abertas a interpretações, procederam então para expor a fraude que ajudaram a promover.


Pegos no ato!

E então expuseram. Com fotos claras fica óbvio que a “materialização” é simplesmente a médium Otília em lençóis. Os crentes até mesmo afirmavam que o espírito atravessava barras de aço sólido, mas as fotos mostram que era somente alguns lençóis que eram jogados para o outro lado, enquanto a médium, muito sólida (e viva), estava por trás das barras.

A Cruzeiro não poderia ter tido melhor furo de reportagem quando em 1970, Otília Diogo foi finalmente pega no ato do crime. Ela queria fazer plástica para remover suas rugas, e como pagamento pela cirurgia, se ofereceu para conduzir uma reunião espírita de materialização na casa do médico, um crente no espiritismo. Mas o médico não era tão ingênuo assim, e ficou com suspeitas sobre uma maleta que sempre estava com Otília. Quando ele e sua família tentaram abri-la enquanto Otília dormia, encontraram todo o “ectoplasma”, isso é, todas as vestimentas e véus materiais que utilizava para interpretar diferentes espíritos.

Suas ferramentas incluíam até perfumes para “reforçar a presença do espírito.” Assim como Xavier, de acordo com Vieira.

Finalmente exposta a fraude, o que Otília poderia dizer? “Perdi minha mediunidade em 1965, mas pensei que poderia manter a encenação das materializações. Não queria que alguém percebesse.”

E as pessoas acreditaram nisso. Grande parte dos espiritistas do Brasil, quando informados sobre o envolvimento de Chico Xavier no caso de Otília Diogo, acreditou piamente que embora ela fosse definitivamente uma farsante, somente começou a difamar pouco tempo após Xavier ter autenticado e testemunhado os fenômenos. Esse é um exemplo clássico de dissonância cognitiva.

Mesmo que as fotos tiradas durante aquelas reuniões espíritas de 1964 claramente mostrarem uma pessoa utilizando véus, obviamente uma evidência falsa, muitos ainda acreditam que o ectoplasma funciona de maneiras misteriosas – incluindo se parecer exatamente como um véu comum. Nós, os céticos, ainda argumentamos com os crentes que defendem veementemente esse caso com argumentos elaborados – sendo que todos foram refutados – mas a primeira e óbvia impressão das fotos tiradas é um tanto certeira. São exemplos simples e ridículos de falsificações.


Pessoas espertas acreditam em coisas estranhas

Waldo Vieira também era testemunha dessas reuniões espíritas, revelando que desde o início já tinha suspeitas sobre Otília. Mas também afirma que Otília era uma psíquica autêntica, assim como Xavier. Embora fosse uma falsária às vezes, ela também tinha poderes paranormais extraordinários. A dissonância cognitiva é completa.

Mesmo se alguém aceitar que esses médiuns eram falsários, o crente irá se auto-convencer que parte do fenômeno falsificado é autêntica. Parafraseando uma questão filosófica antiga e peculiar, se um falsário não for pego em seu ato fraudulento no meio da floresta, ele cometeu a fraude? Para os crentes, a resposta é clara. Os argumentos mais elaborados e impensáveis são apresentados como argumento para aquelas fraudes ridículas que podem ter sido consideradas como autênticas.

Voltando no tempo novamente podemos encontrar exemplos de falsários. E a história de Otília Diogo, tão famosa no espiritismo brasileiro, é quase idêntica à história das materializações de Florence Cook feitas por Katie King, as quais ocorreram quase um século antes no auge do espiritualismo vitoriano. Os crentes irão argumentar que ela somente começou a fraudar provas após ser examinada por William Crookes. Bill Meier, o suíço que diz ter contatos com alienígenas pode ter falsificado algumas fotos, mas deve ter começado a fazer isso após ter tido alguns contatos autênticos com alienígenas provindos das Plêiades.

Certamente há muitas outras histórias sobre Chico Xavier, pois não entramos em detalhes na sua principal afirmação paranormal dos 400 livros “psicografados”. Essa é outra oportunidade de desmascará-lo.

Porém, como foi uma personalidade tão famosa por seus preceitos morais e mensagens espirituais publicadas em centenas de livros, terminaremos com um pequeno fragmento particularmente interessante: “A verdade que machuca é pior que a mentira que conforta… Aqueles que conseguem compreendê-la irão entender.”

Tá dááá!! Por hoje é só, amiguinho!

Referencias

[1] O número total de ateístas e cidadãos não religiosos no Brasil é provavelmente comparável ou até maior que o número de espíritas, porém o IBGE se recusa a quantificar o número de ateístas no censo.

[2] Muitos brasileiros das classes sociais mais altas, incluindo a elite do entretenimento, são espíritas. Considerando-se mais requintados que o catolicismo tradicional.

[3] o trabalho de Visoni está disponível gratuitamente em português em http://obraspsicografadas.haan.com/

Mais informação

Download da Revista Cruzeiro de 1964, aqui

Maiores informações, aqui

Sobre Gabriel Bassi

Natural de São Paulo, Capital. Formado em Fisioterapia pela USP de Ribeirão Preto, faz mestrado em Psicobiologia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Faz pesquisas nas áreas de neurologia, imunologia e comportamento animal. Tem interesses (extra-acadêmicos) em pesquisas sobre a evolução cultural, econômica e social de distintos aspectos da religião e da religiosidade nas sociedades.

Publicado em 04/12/2011, em crenças, espiritismo, moralidade, racionalismo, Religião. Adicione o link aos favoritos. 58 Comentários.

  1. Olá Gabriel

    Vejo que você usa o Professor Waldo Vieira para tentar desmascarar Chico Xavier, presumo então, que para você este segundo personagem seja autêntico, sendo assim, gostaria que soubesse que o professor Waldo Vieira, que trabalhou muitos anos juntamente com Chico Xavier, encontra-se vivo, trabalhando em Foz do Iguacú diariamente e pode responder perguntas Online, via internet ou mesmo presencial, caso deseje fazer-lhe uma visita.

    Assista Prof. Waldo Vieria todos os dias ao vivo neste site:http://www.tertuliaconscienciologia.org/

    Penso que Chico Xavier fez um trabalho gigantesco de assistência a milhares de pessoas, mas como ser humano, deve ter cometido muitos erros, podemos olhar sua vida do ponto de vista dos erros ou do ponto de vista dos acertos. Pegar apenas os erros, de 90 anos de existência pública de um trabalhador incansável em prol dos outros, e publicá-los, não é justo.

    Observo em seu currículo apenas os “acertos” ou sua titularidade, seja justo, coloque todos os seus erros lá também.

  2. Caro, Gessé,

    a questão aqui é a validade do espiritismo bem como a veracidade das materializações e existência de espíritos.
    Se ele foi uma boa pessoa, que ajudou a milhares, é outro papo. A idéia é criticar casos de charlatanismo, independentemente do seu bom uso. Da mesma forma como a maioria dos padres tem a intenção de ajudar as pessoas, mas por placebo.

    Portanto, não verá elogios aqui a pessoas que tenham feito certo mas do modo errado.

  3. Gabriel Bassi

    Caro Gessé

    O Waldo Vieira já comentou esse caso da Otilia Diego no site do Vitor Moura, afirmando que suspeitava do caso ser fajutagem, e o caso “saiu do controle”. Além disso, há outros relatos do forjamento das cartas psicografadas de Xavier, o que o próprio Vieira denominava de “fazer media”.

    Não podemos negar o trabalho assistencial de Xavier, mas seu caso comparo ao de um atualmente deputado federal, que já foi prefeito da capital aqui de São Paulo (cujo nome é homônimo). Costumava-se dizer que a dita pessoa “Rouba, mas faz”. Isso é, suas roubalheiras (que são comprovadas, inclusive é procurado pela Interpol) eram “desculpadas” pela população porque ele fazia obras de grande porte (mas que eram superfaturadas). Com Chico Xavier foi semelhante. Xavier pode ter forjado provas, falsificado psicografias e enganado pessoas, mas isso é “desculpável” pelos seus fiéis, pois seu trabalho assistencial foi notável. A diferença entre eles é que Xavier nunca foi punido, mas foi tão hipócrita como o deputado.

  4. Marcos Arduin

    Eu já li mais de 50 obras cristãs anti-espíritas, visando conhecer outros argumentos, contrários ao Espiritismo, e assim formar uma opinião mais abalizada, pesando os prós e contras. Porém NADA obtive de útil, que demonstrasse a falência do Espiritismo em seu aspecto religioso ou filosófico. Quanto à pesquisa científica feita, o pessoal religioso limitava-se aos lugares comuns de sempre: “descobriu-se que”, “soube-se que”, “apurou-se”, sem dar nomes aos bois e aos fatos. É sempre um sujeito, e predicado também, indeterminados.

    Em 2000 fiquei sabendo da existência dos sábios céticos, que se apresentavam como inteligentes, racionais, cultos e científicos. Beleza! Com todas essas credenciais, agora sim eu veria refutações de qualidade ao Espiritismo. Infelizmente quebrei a cara: foi com muita tristeza que descobri que os tais céticos são pessoas cheias DE MUITA FÉ.

    É tanta essa fé que esse pessoal cético tem, que, assim como os sábios religiosos fazem, o tal pessoal cético é OBRIGADO a MENTIR para defender a FÉ CÉTICA. Uma pena.

    No caso aqui em questão, vejo mais um serviço cético meia-boca. Não se busca a verdade dos fatos, mas sim UMA CERTA VERDADE, aquela que agrada ao pessoal cético. Se estivessem mesmo interessados na VERDADE VERDADEIRA, teriam muito serviço a fazer, coisas a pesar e considerar. Eu não sei o que a verdade é, mas sei o que ela NÃO É: uma frutinha madura, pronta para ser colhida e comida, pois cresce num arbusto de pouca altura.

    Então vejamos o caso da perfumaria. Primeira coisa que um cético deveria pensar, caso fosse mesmo um cético: qual a qualidade e idoneidade da testemunha? Bem, Waldo Vieira ficou uns dez anos ao lado do Chico, tendo psicografado livros em parceria, FOI O CHEFÃO da pesquisa feita com a Otília Diogo, depois ROMPEU com o Chico, seguiu uma carreira solo, com a pretensão de percorrer um caminho “mais científico”. Não deu muita sorte nesta carreira: enquanto Chico ficou por cima, ainda conhecido e bem conceituado em todo o país, Waldo ficou esquecido. Isso deve ter sido muito incômodo para o seu ego. Daí então um cético que soubesse pensar no mínimo consideraria:
    _ Esse cara não poderia inventar mentiras para desabafar sua raiva e frustração, ainda mais agora que o Chico está morto e não pode se defender?
    Diz o Waldo que Chico ia PESSOALMENTE comprar os frasquinhos de perfume lá na Botica ao Veado D’Ouro. Gente, eu já estive nessa botica antes dos problemas que a levaram à falência e era FREQUENTADÍSSIMA. Gente pra todo o lado. Como é que o Chico fez compras lá e ninguém o reconheceu? Algum cético por aqui explica?

    Agora o caso da Otília. Waldo Vieira nunca teve nenhuma dissonância cognitiva. Quando soube dessa fulana e do que ela fazia, juntou DEZOITO colegas médicos e eles então montaram todo um aparato para estudar o fenômeno de materialização que Otília produzia. Fizeram seis sessões com ela ao longo de três meses (dava trabalho coincidir as disponibilidades de todo mundo…). Não acharam fraude alguma. Qual a probabilidade de 19 médicos terem dissonância cognitiva? Aí então a Wanda Marlene tinha divulgado no seu programa de televisão fotos e depoimentos dessa pesquisa. O repórter José Franco, da mesma empresa que Wanda Marlene trabalhava (os Diários Associados), escreveu toda uma reportagem, aparentemente neutra, sem emitir opinião, dizendo que esta seria emitida quando pudesse testemunhar pessoalmente os ditos fenômenos.

    Aqui entra a vaidade e o interesse de Waldo Vieira pelo “glamour”. Fizeram ele e os colegas uma reunião sobre essa reportagem e quanto ao desejo do repórter em ver a coisa cara a cara. Houve quem discordasse em lhe permitir o acesso, pois entendiam que ainda não tinham material realmente impecável, fora de dúvida para se permitir o acesso de um jornalista, ainda mais que esse indivíduo era repórter do semanário O Cruzeiro, famoso por sua linha sensacionalista barata e pela hostilidade de seu diretor, David Nasser, ao Espiritismo. Mesmo assim o desejo de Waldo prevaleceu e ficou combinado que o repórter José Franco assistiria a uma sessão, junto com um colega, José Nicolau.

    Se alguém ver as tais Tertúlias do Waldo, verá que ele escorrega feito sabão molhado quanto ao caso da Otília. Diz que ela “era ectoplasta, mas fraudava”. No caso aí com o Cruzeiro, veja só a canalhice dele contra os colegas: se sabia que ela fraudava, então por que concordou em dar acesso ao repórter? Por que não informou aos seus colegas de suas suspeitas (ou descobertas) de fraude? A verdade era que ele SABIA que os fenômenos eram autênticos, já que não acharam fraude alguma. Foi por isso que aceitou a presença dos repórteres. Tal como Galileu: se não querem acreditar em minhas palavras, que olhem pelo telescópio. Todo mundo sabe no que deu…

    A “zebra” começou a acontecer com a chegada dos ditos repórteres: em vez dos dois combinados, vieram eles e mais outros cinco. Se alguém aqui leu as manchetes do Cruzeiro, perceberá que as reportagens são uma “gracinha”. Um dos médicos fez uma revista superficial, sobre as roupas, da médium e CONVIDOU os repórteres a fazerem a revista também, mas o que eles disseram?
    _ Demo-nos por SATISFEITOS.
    É mole? Eles não revistaram a médium, justamente a maior suspeita, e depois fizeram as reportagens denunciando fraude (que NUNCA descobriram). Outro lance gozado: diz um dos repórteres que ficou bem junto da fantasma, para que no momento do flash pudesse ver o “nariz abatatado da Otília”. E foi o que ele disse ter visto. Mas quando um repórter falou em pegar na mão da fantasma, ela disse que não podia, pois havia energia insuficiente e ela só pôde materializar UM DEDO. Que bacana! Não seria o momento de os argutos repórteres pedirem:
    _ Nossa! Só um dedo? Podemos vê-lo e fotografá-lo?
    Por que uma coisa tão impressionante não impressionou aos atentos repórteres? Simples: a médium não era meio maneta. Se a fantasma de fato mostrasse uma mão com apenas um dedo, isso estragaria toda a tese de fraude a qual JÁ TINHAM estabelecido muito antes de irem até Uberaba.

    O perito Carlos Éboli periciou as fotos, umas tiradas pelos repórteres e outras cedidas pelos médicos, e no caso do fantasma Veloso, disse que a barba era a ÚNICA diferença entre a médium e o fantasma. Só que eu vi essas fotos e notei algo estranho: o nariz da Otília é fino, longo e apontado para o chão e o do fantasma é achatado e as narinas ficam aparentes. Ninguém me explicou até agora o motivo de tal diferença. Como é que o Éboli não viu isso? Simples: isso não interessava ver.

    Voltando ao Waldo, lá nas suas Tertúlias, ele diz que um repórter “amigo” lá do Cruzeiro ligou para ele, dizendo que o pessoal ia fazer reportagens escandalosas, denunciando a fraude, etc e tal, que iam poupar o Chico (pois este era um mito), mas que iam malhar ele, o Waldo. Veja lá se algum cético por aqui acredita nessa que o Waldo conta:
    _ Minha visão nublou toda e vi o que ia acontecer e falei: _ Olha, estou vendo o que vai acontecer, vocês vão vender muita revista. Muita mesmo. Mas não vai ficar pedra sobre pedra, vai ter morte e tudo aí vai acabar.

    Hoje sabemos que tudo isso aconteceu mesmo… Que pensam vocês céticos? Que Waldo foi mesmo agraciado com uma visão profética ou é um profeta “depois dos fatos”? E diz o Waldo que o repórter o mandou ficar escondido. Waldo diz ainda que não ia enfrentar aquele pessoal, pois tinham muito dinheiro, advogados e até um senador no meio. E o resultado é que Jorge Rizzini e alguns dos médicos peitaram os repórteres em programas televisivos e estragaram o brilhante trabalho que fizeram, achando que em vista do poder dos Diários Associados, ninguém ousaria contradizê-los. Mas o Waldo fugiu e ficou escondido o tempo todo. Ao que parece apenas por covardia.

    O repórter José Nicolau disse cada coisa engraçada depois do debate que teve com Jorge Rizzini. Justificou-se por não ter desmascarado a médium pois ele e seus colegas estavam em menor número em relação aos médicos. Não afirmava que todos eram farsantes. Alguns não eram. Eram crentes sinceros e, por isso mesmo, fanáticos PERIGOSÍSSIMOS. Tem algum cético por aqui que me explica essa: José Nicolau conheceu aqueles caras NAQUELE DIA. O único conhecido da mídia era o Waldo e, dos outros, NENHUM era famoso por ter agredido ou matado quem discordasse do Espiritismo. Como ele poderia saber quem eram os farsantes e quem eram os crentes e ainda saber que estes eram muito perigosos? Minhas cachorras dariam desculpa melhor para o serviço mal feito que esses repórteres fizeram.

    É isso.

  5. Todas estas dúvidas e questionamentos, todo este ceticismo pode e deve ser levantado por qualquer pessoa, espírita, cristã ou atéia, que avalie a evidência e as alegações em questão. Não se pode negar que é um ceticismo saudável. No mínimo, as supostas evidências dos fenômenos de materialização em questão são mais do que duvidosas e de forma alguma comprovam sua veracidade.

  6. Marcos Arduin

    Ah! As evidências são mais do que duvidosas…
    Até poderia concordar, mas o que eu gostaria é que essas dúvidas fossem muito bem colocadas e fundamentadas. Mostrassem que elas têm razão de ser. Fica gozado para mim quando o bambambam cético Massimo Polidoro escreve um artigo mentiroso no Skeptical Inquirier aí em janeiro de 2000 sobre William Crookes e a Ana Eva Fay. Se as evidências são mais do que duvidosas, por que o sábio cético precisa mentir para defender a fé cética?

  7. Gabriel Bassi

    Obrigado pelas respostas, Marcos. Mas fica a seguinte crítica não somente a esse post, mas a outros post e críticos.

    "Esse cara [Waldo Vieira] não poderia inventar mentiras para desabafar sua raiva e frustração, ainda mais agora que o Chico está morto e não pode se defender? Diz o Waldo que Chico ia PESSOALMENTE comprar os frasquinhos de perfume lá na Botica ao Veado D’Ouro. Gente, eu já estive nessa botica antes dos problemas que a levaram à falência e era FREQUENTADÍSSIMA. Gente pra todo o lado. Como é que o Chico fez compras lá e ninguém o reconheceu? Algum cético por aqui explica?"

    A figura do Waldo Vieira deve ser levada em consideração por ter sido uma pessoa íntima do Xavier. Se diz mentiras ou calunia o nome do Xavier, cabe a outras pessoas tão "qualificadas" quanto o Vieira para refutá-lo (o que nunca vi). Simplesmente dizer que foi um "desabafo" é uma tentativa falaciosa (ad hominem) de refutar o argumento por atacar a pessoa, não o argumento em si.

    "Diz o Waldo que Chico ia PESSOALMENTE comprar os frasquinhos de perfume lá na Botica ao Veado D’Ouro. Gente, eu já estive nessa botica antes dos problemas que a levaram à falência e era FREQUENTADÍSSIMA. Gente pra todo o lado. Como é que o Chico fez compras lá e ninguém o reconheceu? Algum cético por aqui explica?"

    Não vejo problema de Xavier ter ido à perfumaria. Ele poderia ter comprado alguns frascos, outros poderiam comprar mais (será que havia outras pessoas cientes da farsa, assim como Vieira, mas não comentavam para manter a integridade de Xavier??). Aliás, não é preciso uma quantidade imensa de frascos de perfume para odorizar um ambiente. Se Xavier comprasse uns 2 frascos de 50 mL, contendo solução ultra-concentrada de rosas, já seria o suficiente para a odorização de uma sala pequena por várias sessões (meses) à medida que a solução é diluída. Multiplique isso pelos seus "ajudantes". E dizer que "Chico ia PESSOALMENTE comprar" não significa que estava presente em todas as compras (falacia dicto simpliciter – generalização).

    "Agora o caso da Otília. Waldo Vieira nunca teve nenhuma dissonância cognitiva. Quando soube dessa fulana e do que ela fazia, juntou DEZOITO colegas médicos e eles então montaram todo um aparato para estudar o fenômeno de materialização que Otília produzia"

    Os médicos em si eram de grupos independentes ou pertenciam ao nicho de Vieira?? Houve teste cego e aleatório?? Onde o trabalho foi publicado?? Quem eram?? Onde estão os dados??

    Em resumo, há outras coisas para refutar, mas o resto dos argumentos carecem de representação científica e de evidências, por isso são irrelevantes. E isso gera as falácias e desentendimentos. Fornecer evidências já é um grande passo para remover a dita "fé cética". Mas desde já agradeço as críticas

  8. Marcos Arduin

    Meu caro Rafael Bassi
    O que você argumenta não faz sentido.
    Delegados ou escrivães de polícia mais espertos, assim que chega um suspeito dizendo que não cometeu tal crime, antes que lhe façam qualquer pergunta, já ficam bem propensos a achar que cometeu sim…
    É o que aconteceria se alguém fosse defender o Chico dizendo que o Waldo é um caluniador. Qual é a prova de que Waldo falou a verdade? Isso caberia a ele provar e não os chiquistas se meterem a besta de refutá-lo. Se ele não tem prova alguma do que diz, então por que disse? A isso eu chamo de leviandade. Diz você que é um ataque adehomem, mas não é a mesma coisa quando diz que se cansou do Chico por ele ser tão sensível e tão chorão? Tudo indica que não foi uma ruptura apenas por discordância de ideias, mas também por motivos pessoais. Isso é o que torna a testemunha menos confiável.

    Lá no blog do Vitor Moura (Obras Psicografadas), lembrei o caso em que um suposto motorista do Chico que mandou emails ao Vitor, denunciando toda essa farsa do Chico quanto a perfumes. O motorista teria visto o Chico jogando um saco num lixão e, curioso, voltou lá depois e viu que eram muitos frasquinhos de perfume (e não apenas dois como você sugeriu), comprados lá na Botica ao Veado D´Ouro… Só que o endereço de email era falso. Por que esse cara estava se escondendo? Qual o nome real dele? Por que não dá a cara para bater.

    Então, meu caro, esse é o problema que eu falei da FÉ CÉTICA. Quando se trata de avacalhar com o Chico Xavier, testemunhos sem provas e testemunhas duvidosas ou anônimas são aceitos pelo pessoal cético SEM RESERVAS. Já os testemunhos favoráveis…

    Os médicos… Bem, seria interessante que o Waldo dissesse quais foram os seus critérios para escolher os ditos médicos. Suponho que fossem pessoas que ele eventualmente houvesse conhecido e feito amizade quando cursava odontologia. Independente disso, eram 18 caras que tinham reputação a zelar. Muito improvável que fossem dar endosso a uma farsa se tivessem conhecimento dela. Até porque as fotos que cederam ao Cruzeiro mostrava que era impossível a fraude: a médium estava algemada dentro de uma jaula e todos estavam em volta da dita cuja, inclusive vendo o seu interior (e o próprio perito Éboli fala de iluminação interna). Não tinha como a médium ajeitar o véu sobre a grade sem que os médicos percebessem a coisa.

    A única escapatória aí no caso é se TODOS estivessem mancomunados com ela. Só que se fosse eu que estivesse lá, teria feito coisas bem mais bacanas… Mas saberia, junto com todos, que uma farsa assim seria um tiro no pé: a Otília era ambiciosa, fazia seus “espectáculos” em troca de remuneração (aparecia até em festinhas de aniversário) e a chance de alguém descobrir a fraude era ENORME. Vai querer me dizer que Waldo e os outros seriam tão panacas em endossar essa fulana nessas condições? Não tem como.

    Falou você em teste cego e aleatório… Ora, isso é aplicável em testes QUANTITATIVOS. Como se aplica um teste assim em situações QUALITATIVAS? Fico no aguardo do exemplo.

    Fornecer evidências de como é que pesquisadores dos tempos idos e passados poderiam ter sido enganados também justificaria a fé cética, mas se nada disso é apresentado, então a fé cética empata com a fé religiosa.

    Uma pena.

  9. Gabriel Bassi

    Bom, novamente agradeço a resposta.

    Mas se ficarmos baseando-se no “achismo” de que “alguém viu isso” e “fulano disse aquilo” como argumento é ignorancia intelectual. São necessárias evidências. E na falta delas, temos de correr atrás daquilo que nos está à disposição e dissecar esse material, tentando encontrar seu modus operandi. E foi isso que tentou fazer o texto que traduzi (que, aliás, é do Kentaro Mori).

    Vou direto ao ponto. Toda essa discussão gira em torno do pilar principal que NÃO é o Xavier em si (apesar de parecer), mas se o espiritismo é um "fenômeno" real. Até o momento não encontramos nenhuma crítica racional positiva em relação ao espiritismo. Muito pelo contrário. Mostramos aqui no blog o quanto o espiritismo e seus "pesquisadores" são falhos, tendenciosos e sobrevivem às custas do sofrimento psicológico e físico das pessoas. E o Xavier foi tão conivente com essa farsa quanto o Vieira. E aqui tentamos criar um pensamento crítico. E antes que haja a acusação de unilateralismo, não defenderemos charlatanismos nem aquilo que é racionalmente falho e cientificamente errado.

    Se por acaso houver algum artigo científico bom (com boas estatísticas, grupos controles exemplares e equipes de investigação independentes) em favor do espiritismo, por favor nos envie. Pois é isso que nos interessa. O texto que traduzi serviu somente como crítica ao espiritismo em si, e que (feliz ou infelizmente) pegou carona no Xavier. Não pude encontrar qualquer evidencia de que o espiritismo é algo real. A grande questão é: Espiritismo é algo racionalmente verdadeiro?? Infelizmente psicografistas não escrevem em japonês nem fazem equações de cálculo.

    Agradeço a você por nos trazer algumas informações a mais, inclusive aumentando o pensamento crítico em relação ao que foi dito pelo Vieira, pois é a partir daquilo que o Vieira falou que devemos basear nosso argumentos e tentar desacreditá-lo (ou não). Porém não é o escopo do blog. Dizer que "fulano disse" ou "beltrano mentiu" não é um assunto que interessa ao Racionalismo, mas evidências. Se você puder fornecê-las, poderemos desacreditar ou não a imagem de Vieira e/ou de Xavier independentemente se praticaram o bem, se contaram mentiras ou exploraram o sofrimento humano

  10. Marcos Arduin

    Gabriel, temos aqui um problema com relação a essas “questões científicas”.

    Fala você em “achismos”. Tudo bem, essa questão é o que acontece quando se trata das “Ciências Humanas”. Talvez valesse a pena questionar se o qualificativo “Ciências” aí é cabível quando se trata de estudar o ser humano, sociedades humanas e relações humanas. Na Folha de 21 de novembro de 2010 saiu um artigo, O erro de Foucault, de Luís Felipe Pondé (http://www.imil.org.br/artigos/o-erro-de-foucault/), onde se avacalha esses intelectuais aí da FFLCH. Não há nada de científico nessas tais “Ciências Humanas” e diria que o uso do termo “Ciências” é apropriação indébita. Ciência prevê o uso do método científico, coisa que Filosofia e Sociologia não fazem.

    Falou você em argumento de ignorância intelectual e que são necessárias evidências. É aqui que a porca torce o rabo. Em termos científicos, se isso for cabível, no Espiritismo o que nos interessa apenas são as pesquisas que estudiosos fizeram sobre o fenômeno mediúnico. Não na descrição do mecanismo da mediunidade é claro, mas a simples constatação de que esse fenômeno seria plausível, em vista de falharem outras explicações de “natureza material”.

    Diz você que o blog mostrou o quanto o espiritismo e seus “pesquisadores” são falhos, tendenciosos e sobrevivem às custas do sofrimento psicológico e físico das pessoas. Mas de quais pesquisadores afinal está falando? Vejamos William Crookes, que foi um pesquisador que fez vários trabalhos e pesquisas relevantes nos campos da física e química. Pois bem, ele estudou alguns médiuns e constatou que produziam fenômenos estranhos, não explicáveis por meios conhecidos (fraude ou ilusionismo). E um detalhe interessante: ele NUNCA aceitou a hipótese espírita no decorrer dessa pesquisa. Falei-lhe que Massimo Polidoro, um bambambam cético militante, escreveu um artigo no Skeptical Inquirier, avacalhando o Crookes em relação à médium Ana Eva Fay. Esse artigo até me confundiu no início, mas quando li o relatório que Crookes publicou dos experimentos que fez com essa médium, pude notar que Polidoro omitiu tudo o que não lhe interessava mostrar, serviu-se de Houdini e do incompetente Colin Brokesmith e sentenciou que NÃO HAVIA MAIS DÚVIDAS de que o truque usado por Ana Eva Fay de fato aconteceu mesmo. Ora, se os pesquisadores espíritas (ou não) são falhos e tendenciosos, então Polidoro não teria qualquer necessidade de mentir em defesa da fé cética: poderia fazê-lo simplesmente explorando essas ditas falhas. Mas cadê elas? Tem certeza que sabe do riscado ao fazer aquela afirmação sobre os pesquisadores espíritas?

    Ah! Então aqui se tenta criar um pensamento crítico? Bem, suponho que um crítico seja ao menos um bom conhecedor do assunto, bem informado, etc e tal para ser capaz de emitir um juízo de valor. Sobre essa questão aí da materialização de Uberaba, o Mori (http://obraspsicografadas.haaan.com/2010/falsa-a-materializao-de-uberaba-redux/) lembra que a revista O Cruzeiro não era lá essas coisas em termos de credibilidade. David Nasser era francamente hostil ao Espiritismo e ele sabia muito bem que o Cruzeiro só venderia enquanto se mantivesse alicerçado no sensacionalismo barato. Apesar de todas as reportagens que publicaram, os repórteres NÃO DEMONSTRARAM em nenhum momento como a fraude teria ocorrido. Mas tudo acabaria numa boa para eles se Jorge Rizzini e Luciano dos Anjos não aparecessem em programas de televisão, mostrando as gravações e contestando as reportagens. Com essa os repórteres não contavam, pois os Diários Associados eram mais do que a Globo hoje. Nunca imaginavam que seriam desafiados nessa.

    Não se defende charlatanismo por aqui? Que ótimo, pois no Espiritismo também não.

    Artigo científico bom (com boas estatísticas, grupos controles exemplares e equipes de investigação independentes)… Bem, tenho algumas coisas, mas não sei como lidar com situações em que haja direito autoral. Boas estatísticas? Não são aplicáveis em fenômenos QUALITATIVOS. Grupos de controle? Se estou lidando com UM médium, onde fica o grupo de controle nessa história? Acaso pensa que mediunidade é jogo de adivinhação? Equipes de investigação independentes? Deixe-me lhe contar uma coisa: ao longo de 80 anos (1850-1930), mais de 200 pesquisadores – vários deles cientistas – pesquisaram diferentes médiuns, em diferentes países e chegaram a resultados parecidos. Se TODOS eles estavam errados, por que o pessoal cético não consegue demonstrar e apontar onde estavam seus erros?

    No máximos dos máximos, o que encontrei foi a alegação de “evidência anedota”. Essa é uma coisa engraçada. Então segundo a comunidade cética, o Crookes, que era um bom cientista e tinha uma reputação a zelar, não deve ser levado a sério no que disse sobre os médiuns pois sua pesquisa é… evidência anedota. Agora o pessoal cético leva muito a sério o jornalista Jules Bois, que disse ter sido amante de Florence Cook e durante seus tórridos encontros, ela lhe confessou que enganou o cientista com truques bobos e infantis. Bois inclusive disse que testou esses truques e confirmou a plena viabilidade deles. E o pessoal cético inclusive insiste que ele não teriam motivos para mentir. Dá para me explicar por que o relato de Crookes é uma inválida evidência anedota e o relato do Bois, que nem descreve quais teriam sido aqueles truques, não?

    “pensamento crítico em relação ao que foi dito pelo Vieira (…) e tentar desacreditá-lo”. É gozação, é? Pra começar, por que se deveria ACREDITAR no que Waldo Vieira disse? Ele apresentou alguma prova do que falou? Houve testemunhas independentes do caso? O Chico foi flagrado em alguma fraude comprovada? Olha aí a dissociação cognitiva: se o Waldo fala algo que desabona o Chico, então está falando a verdade e merece TODO o crédito e NÃO PRECISA APRESENTAR NENHUMA PROVA. Quer dizer que a credibilidade desse pessoal depende de quanto a fala agrada ao pessoal cético?

    E pra terminar: jocosamente eu uso de um termo que chamo de INFELIZ DESCOINCIDÊNCIA. Refere-se ao seguinte: o pessoal cético considera que TODOS os pesquisadores que lidaram com médiuns e os validaram eram burros, imbecis, despreparados, desqualificados, canalhas, vendidos, mentirosos, etc e tal. Veja só que coisa lamentável: quando havia médiuns dos bons atuando, NENHUM cético hábil, culto, racional e inteligente estava disponível para demonstrar toda a farsa dos médiuns. Só quando esses aí morreram é que os tais céticos aparecem para dizer que tudo não passa de pouca vergonha.

    Uma pena.

  11. Marcos Arduin

    “Voltando no tempo novamente podemos encontrar exemplos de falsários. E a história de Otília Diogo, tão famosa no espiritismo brasileiro, é quase idêntica à história das materializações de Florence Cook feitas por Katie King, as quais ocorreram quase um século antes no auge do espiritualismo vitoriano. Os crentes irão argumentar que ela somente começou a fraudar provas após ser examinada por William Crookes.”

    – São gozadas certas colocações feitas por esse pessoal cético. Interessante é que JAMAIS explicam certas coisas também e só os crentes é que ficam com “cara de tacho”. Terão os médiuns algum problema de dissonância também? Sim, pois quando estão sob exame de pesquisadores, eles são amarrados, enjaulados, acorrentados, algemados, fiscalizados, trancados em aposentos, etc e tal, MAS FAZEM OS SEUS TRUQUES SEM O MENOR PROBLEMA e acabam validados pelos pesquisadores. Mas aí, tempos depois, o mesmo médium tão habilidoso é pego numa fraude absolutamente banal. Por que acontece isso? Nunca nenhum cético jamais me explicou. No máximo o que fazem é retroagir tudo, usando a suposta fraude como “explicação” para invalidar as pesquisas feitas pelos estudiosos, ainda que tal fraude nada explicasse quanto aos resultados e em confronto com os protocolos.

  12. cético espirita

    Marcos, você fala em fraudes e estudos mal feitos, mas não apresenta provas disso (e não são de revistas populares, mas científicas). Daí fica num jogo de bate-volta que não acaba nunca. Parece que quer provar o espiritismo na base da força (e sem evidências).

    Não tenho uma opinião formada do espiritismo (aliás, sou agnóstico), mas dependendo das evidências que você me forneceu, não me ajudou em nada porque não tenho como saber se o que as pessoas relataram é verdadeiro ou não (se o Vieira falou mentiras, como posso saber se o Xavier ou outros médiuns também não mentiram também?), por isso precisamos de pesquisas científicas, não de “achismos”. Se provarem que a mediunidade é uma farsa, não importa o que disse o Vieira ou o Xavier, é falso e pronto, não existe. Você cita que “ao longo de 80 anos (1850-1930), mais de 200 pesquisadores… chegaram a resultados parecidos”, mas não nos dá nenhum nome, nenhum artigo.

    O texto tem lá suas falhas e mostra só um caso (o que obviamente não conclui minha opinião), mas parece que a “fé cética” é mais benéfica em dar respostas críticas do que a “fé espírita” (porque pelo jeito eu tenho de acreditar piamente no que o fulano espírita disse ou psicografou, porque é ELE que tá certo). Isso fica parecendo mais uma teoria da conspiração (sem provas) para tentar provar a existência do ET de Varginha: só acredita quem tem fé, porque de outro modo não há meios de provar sua “vinda”.

  13. Marcos Arduin

    Bem, Sr Cético Espírita, certas coisas têm direito autoral e não sei se vou criar problemas para este blog se forem postadas aqui sem autorização (e não sei com quem tenho de falar para obtê-la). E não entendi do que fala sobre revistas CIENTÍFICAS. O Skeptikal Inquirier é uma revista tão científica quanto a Superinteressante.

    A bem da verdade, nada quero provar em relação ao Espiritismo. Quero isso sim é que os seus críticos apresentem pesquisas, estudos e argumentação consistente que me permita avaliá-lo fora do universo ao qual estou habituado. Até hoje não encontrei coisa alguma que valesse a pena.

    Sr Cético Espírita, só tem um jeito de você formar sua opinião: ir atrás da coisa. Hoje temos aí o Santo Google que quebra um galhão. Não se precisa tanto ir às bibliotecas como antigamente.

    Lembra-me vagamente uma lista de falácias às quais o pessoal cético recorre e uma delas é a tal “falsa analogia”. Então porque Waldo Vieira falou mentiras, concluímos que o Chico Xavier e os outros médiuns também são mentirosos. Certo? Vou usar do mesmo esquema: Massimo Polidoro, um bambambam cético militante, mentiu para defender a fé cética. Concluo daí que todos os céticos mentem para defender a fé cética. Considera justa a minha colocação?

    Nenhum espírita que aprendeu bem o Espiritismo acredita no que um médium psicografou sem mais aquela. O próprio Chico Xavier pisou na bola ao psicografar o livro Cartas de uma Morta, ditado supostamente pelo espírito de sua mãe, que entre outras coisas, falava de vida em Marte. Sendo o Chico UM MATUTO IGNORANTE, não tinha ele elementos para duvidar dessa afirmativa. Mesmo entre os astrônomos e gente culta da época (1935) e posterior, havia a perspectiva de que Marte fosse mesmo habitado por seres inteligentes. Eu tinha um livro de astronomia, de autoria de Julierme de Abreu e Castro, onde falava de Marte e dos ditos “canais marcianos”. O autor falava que havia duas correntes de pensamento: os “canalistas” e os “anticanalistas”, sendo que estes últimos diziam que os tais canais não existiam. E o autor terminava assim: _ Hoje não há quem duvide da existência dos canais. Bem, quando a sonda Mariner passou por lá e mandou as imagens, mesmo mau resolvidas, ficou claro que os tais canais eram só uma ilusão de óptica…

    Se através da psicografia uma família obtém mensagem que trata de assuntos familiares que o médium não teria como conhecer, a letra e a forma de se expressar conferem com as do falecido, etc e tal, isso é bem diferente do livro Cartas de uma Morta, concorda?

  14. cético espirita

    “Bem, Sr Cético Espírita, certas coisas têm direito autoral e não sei se vou criar problemas para este blog se forem postadas aqui sem autorização (e não sei com quem tenho de falar para obtê-la). E não entendi do que fala sobre revistas CIENTÍFICAS. O Skeptikal Inquirier é uma revista tão científica quanto a Superinteressante.”

    Não entendo porque você faz tanto mistério com essas publicações. Direitos autorais nada tem a ver se você citar o nome do artigo científico ou o nome do autor de um artigo, queremos citações, não o artigo inteiro (o resto a gente corre atrás). É como você citar um livro: “O Gene Egoísta” (título) do “Richard Dawkins” (autor) da “Companhia das Letras” (editora/journal), não tem nada de violar direitos autorais aqui. Aliás, Marcos, você não deve ler muita literatura científica, não?!?! Desculpe, mas fica patético você tentar sempre se esconder atrás dos “direitos autorais” para desviar o assunto. Aliás, uma REVISTA CIENTíFICA tem IF (Impact Factor), DOI (Digital Object Identifier) e PII (Publisher Item Identifier), por exemplo, coisa que nem a Skeptical nem (muito menos) a Superinteressante tem.

    “A bem da verdade, nada quero provar em relação ao Espiritismo. Quero isso sim é que os seus críticos apresentem pesquisas, estudos e argumentação consistente que me permita avaliá-lo fora do universo ao qual estou habituado. Até hoje não encontrei coisa alguma que valesse a pena.”

    Quem disse que é a ciência que tem de dar as explicações do espiritismo?? Se os espíritas dizem que conseguem psicografas obras do além, explicar de forma irracional as experiências de quase morte e provas as materializações, são os ESPÍRITAS QUE TEM DE PROVAR ISSO, NÃO A CIÊNCIA RACIONAL. E, desculpe, mas o seu universo é fora do que todo mundo tenta questionar aqui, e isso é seu ceticismo, essa é sua fé cega. Você não encontrou até hoje algo que valesse a pena porque até hoje não conseguiu pensar como a ciência pensa.

    “Sr Cético Espírita, só tem um jeito de você formar sua opinião: ir atrás da coisa. Hoje temos aí o Santo Google que quebra um galhão. Não se precisa tanto ir às bibliotecas como antigamente.”

    Cara, desculpe, mas eu como universitário prefiro correr atrás de complilados de índices de revistas científicas (como o Pubmed e ESE) ao invés do “Google”.

    “Lembra-me vagamente uma lista de falácias às quais o pessoal cético recorre e uma delas é a tal “falsa analogia”. Então porque Waldo Vieira falou mentiras, concluímos que o Chico Xavier e os outros médiuns também são mentirosos. Certo? Vou usar do mesmo esquema: Massimo Polidoro, um bambambam cético militante, mentiu para defender a fé cética. Concluo daí que todos os céticos mentem para defender a fé cética. Considera justa a minha colocação?”

    Cara, desculpe, mas parece que o Polidoro é o seu Santo graal para provar que o Espiritismo existe. Isso não é ciência. Ciência precisa de reprodutibilidade. Um único caso não significa que tudo está errado. Por que você não tenta nos mostrar outros casos de “fajutagem”?? (ahhh… o negócio dos “direitos autorais”… é mais fácil assim)

    “Nenhum espírita que aprendeu bem o Espiritismo acredita no que um médium psicografou sem mais aquela. O próprio Chico Xavier pisou na bola ao psicografar o livro Cartas de uma Morta, ditado supostamente pelo espírito de sua mãe, que entre outras coisas, falava de vida em Marte. Sendo o Chico UM MATUTO IGNORANTE, não tinha ele elementos para duvidar dessa afirmativa. Mesmo entre os astrônomos e gente culta da época (1935) e posterior, havia a perspectiva de que Marte fosse mesmo habitado por seres inteligentes. Eu tinha um livro de astronomia, de autoria de Julierme de Abreu e Castro, onde falava de Marte e dos ditos “canais marcianos”. O autor falava que havia duas correntes de pensamento: os “canalistas” e os “anticanalistas”, sendo que estes últimos diziam que os tais canais não existiam. E o autor terminava assim: _ Hoje não há quem duvide da existência dos canais. Bem, quando a sonda Mariner passou por lá e mandou as imagens, mesmo mau resolvidas, ficou claro que os tais canais eram só uma ilusão de óptica…”

    E é aí que você cai no mundo. Se você afirma que o Cartas de uma Morta que Xico psicografou é falso, como eu posso saber se todo o resto que ele escreveu é verdadeiro? E são os espíritias que tem de provar que o material do Xico e de outros médiuns são verdadeiros, não o contrário. Para a ciência o espiritismo está tão morto quanto os “Humores da Platão”. Os espíritas que tem de ressuscitar o espiritismo.

    “Se através da psicografia uma família obtém mensagem que trata de assuntos familiares que o médium não teria como conhecer, a letra e a forma de se expressar conferem com as do falecido, etc e tal, isso é bem diferente do livro Cartas de uma Morta, concorda?”

    Que cartas? As letras? Se você pensar no modo de escrever de um semi-analfabeto (aliás, na época do Xavier, mais “analfabetos” – encobertos pelo MOBRAL), ele é quase universal: com letras amplas, corridas e que mostra dificuldades em escrever. A assinatura? Pense o modo como um semi-analfabeto escreve a assinatura. E se você duvidar, gostaria de dados estatísticos comparando o modelo de escrita e assinatura das cartas psicografadas com uma carta assinada pela pessoa antes de morrer, aprovando que foram as mesmas pessoas que escreveram. Até hoje ninguém fez isso. E pelo jeito você não está muito a fim de ir pra frente com isso…

    Desculpe Marcos, mas você só enrolou até agora. Explicou coisas sem constatação e quer provar o espiritismo na base da força. Direitos autorais?? Fique com eles. Pelo jeito é a única bandeira que você tem até o momento para esconder o espiritismo por baixo dos panos (prá fazê-lo levantar como uma materialização de ectoplasma fajuta). Acompanho o blog há pouco tempo. E posso dizer que ele não é lá muito “indiferente”, tem sua tendenciosidade. Mas, sinceramente, os artigos não falharam em apresentar EVIDÊNCIAS. Ainda estou indeciso sobre o espiritismo, mas se tivesse que levar em consideração unicamente os argumentos do Marcos, já teria virado as costas ao espiritismo há muito tempo.

  15. Marcos Arduin

    Bem, Sr Cético Espírita
    – Imaginei que se postasse aqui o texto de algum artigo com direito autoral, isso poderia causar problemas. Não falei de se citar um título e autor. Mas estou vendo aqui que você está centrado nessa questão de PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA. Lembra-me de ter lido há um bom tempo de um argumento cético que dizia que as pesquisas científicas feitas por paranormais e espíritas SÃO TÃO FAJUTAS que só podem ser publicadas em seus periódicos especializados. Não lembro o autor e talvez as palavras não sejam exatamente essas, mas o raciocínio é por aí.
    Tanto quanto eu saiba, nenhum periódico científico publica NADA a respeito de Espiritismo ou pesquisas de paranormal. Lembra-me vagamente que a Science teria escrito algo sobre Uri Geller, mas esse aí não conta.

    Além disso, precisamos deixar claro uma coisa: houve um período de investigação mediúnica compreendido entre 1850 e 1930, onde mais de 200 pesquisadores, alguns deles cientistas consagrados, investigaram vários médiuns e atestaram que observaram fenômenos cuja causa não puderam identificar. A única causa natural possível era a fraude, mas eles cuidaram de cercar as possibilidades de o médium fraudar e aí validaram os autênticos e desmascararam os farsantes. E publicaram isso em vários periódicos: Luce e Ombra, The Spiritualist, Banner of Light, etc. Talvez Crookes tenha sido o único que publicou suas pesquisas num periódico científico (Quarterly Jornal of Science), mas aí não vale, pois ele era o editor e forçou a barra. Certo?

    Falou você em repetições? Ora, durante aqueles 80 anos, os diversos pesquisadores obtiveram resultados semelhantes com os médiuns. Duvido que pesquisas sem valor econômico tenham sido mais repetidas do que essas. Mas apesar disso tudo, a coisa não prosperou. E acredito que por dois motivos:
    1 – Os céticos de plantão simplesmente negavam tudo, sem nunca ter visto médium algum, nem ter visto experimento algum. E eram acatados, não só pela sua eminência científica, como também estavam apoiados nos DOGMAS da Ciência, perante os quais não existem coisas espirituais. Enfim, por mais que se esforçassem, os pesquisadores de paranormal não encontravam eco na comunidade científica.
    2 – O outro problema é que a grande maioria desses pesquisadores queriam que os fenômenos tivessem causas diversas, mas NUNCA ESPÍRITOS. Ou seja, haveria clarividência, telepatia, cripstesia, hiperstesia e umas tantas outras azias… Mas qual o mecanismo delas? Não tinham como explicar. Ou seja, até hoje não saiu nenhuma descrição de como se processam os fenômenos. A única coisa concreta que foi obtida é a constatação de que eles existem.

    Daí então o interesse científico decaiu a partir dos anos 1930. Sobrou apenas o pessoal interessado nos espíritos, já que eles se identificavam como autores dos fenômenos e eram reconhecidos por parentes através do que produziam.

    Realmente a Ciência não tem obrigação nenhuma, pois é uma coisa abstrata. Ela é feita pelos homens e não o contrário. A minha questão de obrigação aqui é que há um certo pessoal cético, que POSA DE MUITO CIENTÍFICO, e se empenha, claramente por motivo de fé, em “desacreditar cientificamente o Espiritismo”. É a esse pessoal que me dirijo e não à Ciência.

    Obras (livros, romances, etc e tal) psicografados do além NÃO SÃO PROVAS de manifestação de espíritos, meu caro. Inclusive tem um pessoal chiando que acharam plágios nas obras do Chico Xavier e assim “prova-se” que ele nunca psicografou coisa alguma. Em termos de romance, só dou boi para o Mistério de Edwin Drood, que foi o romance que Charles Dickens deixou inacabado e três anos após sua morte, foi concluído por um médium americano. Inclusive esse romance foi traduzido para o Português por Hermínio C. Miranda.

    “explicar de forma irracional as experiências de quase morte e provas as materializações”
    Não entendi bem o que escreveu, mas então me diga aí: qual explicação de experiências de quase morte são racionais? Deixe-me ver: faltou oxigênio no cérebro… E quando não se constata isso e a EQM aconteceu? Também temos casos em que pacientes relatam coisas que viram acontecer fora da sala de cirurgia e o evento foi confirmado. Que alucinação tem poder de reproduzir isso? Se quer mais referências, veja lá com o amigo pessoal do Mori, Vitor Moura, que parece acatar essas pesquisas.
    A parte final não ficou clara, suponho que você também esteja incluindo aí explicações irracionais sobre materializações, certo? Então me diga aí: o que seria uma explicação racional para elas?

    “E são os espíritias que tem de provar que o material do Xico e de outros médiuns são verdadeiros, não o contrário.”
    Concordo, mas o que losotros aceitam como prova válida? Já que quer referências, então aí vai um caso citado na Revue Scientifique et Morale du Spiritisme, 1907, pág. 121.
    O Comandante Darget citou:
    Apresso-me a narrar um caso de identidade espírita que se produziu em minha família e contra o qual se poderão formular dificilmente objeções sérias.
    A 16 de maio último, minha mulher e minha filha foram a uma médium muito conhecida, a Sra Bonnard, e lhe pediram uma sessão. Desde que a médium caiu em transe, disse ter visto a mãe de minha mulher, morta um ano antes. Revelou esta, depois, pormenores característicos, rigorosamente exatos, concernentes à minha família, de maneira, enfim, a identificar a personalidade comunicante. Pediu então a minha filha: _ Prova-me que és verdadeiramente a avozinha, revelando algum incidente ou segredo que só me diga respeito e que venha dissipar todas as dúvidas.
    Devo declarar que, no ano passado, minha filha tinha estado nos banhos de Biarritz com sua avó e ela esperava ouvir a revelação de fatos advindos durante esse período.
    Disse então a médium: _ Sua avó faz-me ver um ramalhete de flores todas brancas, e confessa que teve grande contentamento quando as depositaram em seu túmulo.
    A essas palavras, minha mulher e minha filha ficaram inteiramente desconcertadas e desiludidas, porque nada haviam depositado sobre o túmulo da velha. Nessa perplexidade, minha filha lembrou-se de escrever a uma prima de Bordéus, a qual, tendo feito recente viagem com a família, havia visitado o cemitério de Poitiers onde a avó comum havia sido enterrada. Minha filha perguntava, na carta, se ela havia deposto flores na sepultura da avó e de que cor eram elas.
    A prima respondeu que, passando em Poitiers, havia colocado na lápide da velha avozinha um ramalhete de flores todas brancas.
    Ora _ pergunta o comandante Darget _, onde a médium poderia ter colhido esse pormenor? Nem a transmissão do pensamento, nem a hipótese da subconsciência, nem outras fantasias semelhantes podem explicar o fato. A explicação mais racional, diz ainda o comandante, consiste em supor que o espírito da avó, a título de prova de identidade, fez lembrar à médium um incidente que ela sabia ignorado por minha mulher e minha filha.

    Bem, meu caro Cético Espírita, essa foi a explicação que o Comandante Darget achou mais racional. Pode me dar a sua explicação mais racional para esse caso?

    “Um único caso não significa que tudo está errado.”
    A menos que o médium tenha errado, certo? Aí sim TUDO estará errado.

    Eu sou um botânico, meu caro. Pesquiso plantas em seus aspectos anatômicos. Não tenho tempo nem muita disposição de fazer pesquisas mediúnicas, até porque não achei qualquer material interessante. Tudo o que posso fazer é relatar-lhe o que está escrito em livros e outras publicações espíritas ou até casos não publicados de que tenho conhecimento. Por exemplo, uma prima minha, testemunha de jeová, conhece um casal de colegas que perderam um filho adolescente. Tempos depois da morte do rapaz, quando viajavam de férias e passaram por Lorena, sem que, nem pra que, entraram num centro espírita, onde estava sendo dada uma palestra. Pouco antes de saírem, um dos trabalhadores do centro entregou-lhe uma folha escrita, que era uma mensagem do filho falecido. A letra era idêntica à do rapaz, assim como a assinatura. Relatava coisas que eram só do conhecimento da família. Bem, fico no aguardo da sua explicação racional para este caso também.

    Até

  16. Um pouco de ciência pra vocês.

  17. Marcos Arduin

    Arre! Que pena o lado científico do Espiritismo ter sido uma falência aqui no Brasil…
    Saibam mais sobre esse cara aqui:

    http://pt.scribd.com/doc/75945612/Dossie-Sergio-Felipe-de-Oliveira

    Não sei quanto aos céticus, mas eu caí na gargalhada de ver como tem espírita bobo neste país.

  18. Tem tanta coisa para falar, mas não tenho saco para debater com alguém iludido pela sensação de conforto que a religião dá.
    É como jogar xadrez com um pombo… Por mais complexa e inteligente que seja a sua jogada, o pombo só vai ficar bicando as peças e cagando no tabuleiro.

  19. Dante, Sensacional!

  20. Marcos Arduin

    É seu Dante…
    Na falta de argumentos, avacalhe com o oponente…

  21. O artigo por você mostrado não invalida em nada os estudos do Dr. Sérgio Felipe acerca da glândula pineal.

  22. Gabriel Bassi

    Caro Bruno. Gostaria, então, que apontasse os erros encontrados no artigo para desvalidar as acusações ao Sérgio Felipe

  23. edimar di lauria

    Tantas falácias e especulações,como sempre falam demais e sem conhecimento.O Chico nunca precisou lançar mão de utopias e mentiras pois nada precisava provar e nem materialismo a cultivar.Ele já era feliz na humildade. A intenção do espiritismo é somente a fé raciocinada.Psicografia e espiritos sempre ficaram em segundo plano e Jesus sempre foi o carro chefe da doutrina.Fica a pergunta…porque Chico mentiria?qual seria o lucro?se não sabem a resposta saibam que um dia saberão pois a morte do corpo chegará para todos.

  24. Carlos Ramos

    Há, sim, quando a morte chegar a resposta virá para todos. Como em todas as religiões, a unica coisa que as mantêm de pé é que as respostas virão somente depois da morte. Muito cômodo já que estaremos todos mortos mesmo.

  25. Ridiculo esses comentários, eu aprendi a ser espírita sim, e prefiro mil vezes crer numa doutrina raciocinada, que sendo alvo de especulações ou não, prega e pratica a humildade a simplicidade e o amor ao próximo,do que viver no conformismo e na crítica. E para ser do bem, não precisamos ser espirita ou qualquer outra coisa. Sobre a morte e suas revelações ou não, deixa isso para quando ela chegar.

  26. Carlos Ramos

    Vieira,

    a) Por favor, desenvolva um pouco, o que você quer dizer por: “Doutrina raciocinada” ?

    b) Estou de acordo com você, não precisamos de religião para sermos bons ou maus; eu por exemplo, sou ateu e não sou melhor nem pior do que qualquer outra pessoa (Na média faço a mesma quantidade de bem ou de mal do que qualquer um que eu e tu possamos conhecer, religiosos ou não, ou seja, a crença ou falta dela é irrelevante para isso também).

    Aliás acho muito mais digno fazer-se o bem tendo a consciência de que essa é a unica vida que teremos, ou seja, eu não espero nada, nem punição, nem recompensa, quando a morte chegar acabou para nunca mais, simples assim. O bem que faço não espera recompensa.

    Poderíamos dizer o mesmo de espíritas, católicos, protestantes, judeus, islâmicos, etc., os quais, acreditando em alguma espécie de vida em um pós-morte (Por mais surreal que seja essa construção…), fazem o bem tendo em vista a recompensas vindouras ou simplesmente ou para evitar algum tipo de punição ?

    Seriam esses crentes tão bonzinhos, tão caridosos se, assim como eu, tivessem fé = Zero ?

    Não estariam eles simplesmente aplicando na prática, a famosa aposta de Pascal, que diz, mais ou menos, assim (em minhas palavras para resumir):

    “Se acredito em Deus e ele não existe, não ganharei nada mas também não perderei nada; porém, se não acredito e ele existir então tudo perderei, ou seja, acreditar é sempre a opção mais inteligente ” ?

    Seria isso o que tu chamas de “doutrina raciocinada” ?

    Grande abraço !!!!

  27. Carlos Ramos

    Vieira, mais uma questão:

    Chamar comentários de ridículos e não apontar e argumentar sobre os pontos que você acha ridículos não refuta nenhum deles, além do que “perder as estribeiras” e ficar xingando não pega bem para a evolução de teu espírito (A raiva é um sentimento inferior, seja mais compassivo com os demais debatedores

    Sendo assim, quando quiseres te opor a alguém, faça-o com mais argumentos e menos adjetivos.

    Um abraço !!!

  28. Fé raciocinada, é aquela em que antes de acreditar usamos as próprias leis naturais da ciência para certificação. Sabendo cientificamente que toda causa produz um efeito, regra que serve para todo o universo, podemos afirmar que pelo simples fato de estarmos aqui discutindo, sejamos religiosos, ateus ou seja lá o que for, existiu uma causa primária que gerou esse efeito da troca de idéias. Isso serve para nossa realidade. Então, como ninguém, nem os ateus, ainda não nos provaram as suas teorias, eu prefiro ficar no espiritismo por ser uma doutrina caridosa acima de tudo. Entendeu agora?

  29. Carlos Ramos

    Vieira,

    Como professor de física concordo com você, que toda causa produz um efeito e que não existem efeitos sem causa (Ao menos no macrocosmo, porque quando vamos ao nível do átomo, na área da mecânica quântica isso é subvertido..).

    É verdade que a causa primária desse debate que estamos fazendo foi o comentário que vc fez inicialmente, o qual eu respondi e assim por diante…tudo bem, tudo entendido, mas não é essa a questão:

    A questão é:

    a)Em que esse raciocínio de que toda causa tem um efeito (Ao menos no macrocosmo…), prova a existência de vida após a morte, a reencarnação, etc… ?

    b)Qual a relação de uma coisa com a outra ?

    Outra coisa, você acredita acha que são os ateus que tem que provar que aquilo que vocês acreditam não existe ?

    Isso é inversão do ônus da prova, pois quem afirma é quem tem que provar.

    Eu, por exemplo, posso lhe afirmar que dos cães que eu tenho em casa, um deles na verdade é um dragão, que solta fogo pelas ventas, cria asas e sai voando por aí nas noites de lua cheia, mas quando eu conto, as pessoas dizem que sou um lunático.

    Como eles não conseguem me provar que meu cão não é um dragão, continuarei acreditando nisso.

    Você entendeu o que eu quis dizer ? Como eu estou alegando, sou eu que tenho que provar, pois se eu acredito nisso eu devo ter provas irrefutáveis, incontestáveis para apresentar, ou não ?

    Não esqueça, alegações extraordinárias exigem provas extraordinárias.

    Um abraço !!!!

  30. O espiritismo não afirma nada, ele apenas coloca a tona as questões por ele vivenciadas. Sobro a inversão do ônus da prova, não se esqueça que o comentário surgiu em cima de uma matéria publicada.Eu sou o maior cético que voce poderia conversar, mas te digo, e não precisa crer, eu vi e senti situações que estavam além da minha compreensão, pra mim isso já é o suficiente. E não eram fenomenos milagrosos ou fábulas, eram situações possiveis, cientificamente possivel.

  31. Carlos Ramos

    Vieira, seguem meus comentários abaixo dos teus:

    “O espiritismo não afirma nada, ele apenas coloca a tona as questões por ele vivenciadas.”

    Como não ?? O espiritismo afirma que existe separação entre mente e cérebro, que existe vida após a morte, que existem reencarnações, que é possível a comunicação com os mortos e mais uma série de outras coisas.

    Se essas não são afirmações, são o quê então ?

    “Sobre a inversão do ônus da prova, não se esqueça que o comentário surgiu em cima de uma matéria publicada.Eu sou o maior cético que voce poderia conversar,”

    Sim, um cético que tem fé…sei…

    “mas te digo, e não precisa crer, eu vi e senti.”

    Não creio mesmo, se não provares, não vou crer, aliás como te defines como uma pessoa super cética, vais entender que tenho razão, pois o ceticismo requer provas muito concretas.

    Sem provas, sem crenças.

    Essa história de que “tive experiências pessoais que só eu sei, que eu senti, etc..” podem ter valor apenas para quem acha que as teve, mas não provam nada sobre nada para ninguém.

    Quem garante que a pessoa não teve uma alucinação, não sonhou, não foi habilmente enganada por outro, que se enganou simplesmente ou foi sugestionada, etc. ?

    É o exemplo do meu cachorro que cria asas nas noites de lua cheia, ninguém acredita, aliás, nem precisa, pois eu sei que é verdade, pois eu vi… (Céticos não aceitam provas em experiências pessoais, o fato de tentares argumentar com isso mostra que não és cético coisa alguma…aliás, está na cara…).

    “situações que estavam além da minha compreensão, pra mim isso já é o suficiente. E não eram fenomenos milagrosos ou fábulas, eram situações possíveis, cientificamente possivel.”

    Bem, vejo aqui algumas contradições:

    Primeiro dizes que estavam além de tua compreensão, para em seguida afirmares que não eram milagres ou fábulas pois eram situações possíveis cientificamente.

    Ora, se tu mesmo estás dizendo que eram possíveis cientificamente, isso prova que não estavam além da tua compreensão, pois tu mesmo acabas de dizer que tem uma explicação cientifica e sabes qual é, logo, está dentro do campo da tua compreensão, logo, por que o espanto ?

    Percebes as contradições do teu discurso ?

    Faz o seguinte, vamos para a prática: Nos descreva que experiências pessoais foram essas, bem como a explicação cientifica para elas, talvez fique mais fácil de entender.

    OBS: Continuo no aguardo da resposta sobre em que a relação de causa e efeito prova a reencarnação e a vida após a morte pregada pelo espiritismo.

    Um abraço !!!!

  32. Não existe contradição nenhuma, o espiritismo trabalha com base cientifica. Seria como eu dizer a voce que o ar que respiramos cientificamente existe, só que não o vemos, e atraves dele podemos sentir aromas diversos. A minha experiência simples até na medida que conversei com minha filha desencarnada coisas só eu e ela vivemos e que o médium não sabia.O que é isso afinal? Se voces ateus ou seja lá o os outros professam outras escolas puderem me explicar isso. S eprovarem que os fatos narrados há 2 mila anos por Jesus foram conversa fiada, virarei ateu. não tem problema.

  33. Carlos Ramos

    Não existe contradição nenhuma, o espiritismo trabalha com base cientifica.

    É mesmo, me explica então qual é o método cientifico do espiritismo, qual é a experiência cientifica que ele realizou e que provam suas afirmações.

    Percebes que andas em círculos, fazes afirmações e não provas nada ? És cético…? Pois sim…

    Bem, continuarei esperando…

    Seria como eu dizer a voce que o ar que respiramos cientificamente existe, só que não o vemos, e através dele podemos sentir aromas diversos.

    Eu pensei que os espiritas fossem mais criativos que os evangélicos.

    Que decepção: Mais uma vez o argumento tosco de “não vemos o ar, mas ele existe, não vemos os micróbios mas eles existem, não vemos o átomo, mas ele existe, etc…”.

    Não vemos o ar, mas o ar pode ser medido volumétricamente, pode ser pesado, ele ocupa espaço, o ar pode ser preso em um ambiente (Quando encho um balão, etc…), Uso o ar para movimentar moinhos, os aviões se sustentam por causa da atmosfera, os elementos químicos formadores do ar (Oxigênio, hidrogênio, etc..), se juntados nas quantidades corretas formam outros elementos (2 átomos de hidrogênio + 1 de oxigênio = água). O ar oxida metais em função de reações quimicas de seus elementos componentes.

    Qualquer criança em uma escola de ensino fundamental pode provar através de “n” experiências cientificas reprodutíveis, que o ar existe, logo, te enganas em achar que se não vemos o ar e ele existe, isso, possa servir de prova de que, por extensão tudo que não vemos realmente existe.

    Não, não é assim, há coisas que só existem em nossa imaginação (O meu cão que cria asas em noites de lua cheia, por exemplo…ou achas isso possível ???).

    Mas não é disso que estamos falando.

    O que eu quero saber é sobre a alma, o que ela é ? Como se comprova sua existência ?Onde se comprovou a sua existência de forma cientifica ?

    Disseste que o espiritismo trabalha sobre base cientifica e eu continuo esperando que me forneças as evidências.

    Qual é a afirmação espirita que já foi comprovada pela ciência ??? Por favor, manda para nós só um exemplo, só um, um, será pedir demais ????????

    Não esquece também de nos enviar quem realizou o estudo, qual foi a metodologia usada, como os passos do método cientifico foram aplicados, em qual publicação cientifica o estudo foi publicado, nome dos cientistas envolvidos, essas coisinhas que céticos como eu e tu pedimos antes de sair dando crédito a qualquer bobagem.

    A minha experiência simples até na medida que conversei com minha filha desencarnada coisas só eu e ela vivemos e que o médium não sabia.

    Há sim…e ela te falou o quê ?

    Deixa eu adivinhar..-Papai, não se preocupe, está tudo bem comigo, estou feliz ao lado de vovó, de vovô, etc..,

    O que é isso afinal?

    Partindo-se do princípio de que não és um mentiroso (Hipótese que descarto de cara), podes ter tido uma alucinação, podes ter sido manipulado pelo tal médium através de técnicas de leitura à frio e um monte de outras coisas.

    Antes de virar ateu eu fui católico, andei por crenças evangélicas (Mórmons, testemunhas de jeová – que aliás afirmam com base bíblica que espiritismo é coisa do demo – e também pelos adventistas), além do espiritismo e nunca vi nada em qualquer uma dessas crenças que fosse digno de crédito.

    Mas, como continuas afirmando que o espiritismo tem base cientifica ficarei aqui esperando pelas provas do que afirmas (Que existe a alma…), estou curioso para saber que evidências são essas que você possa trazer e iluminar as nossas mentes.

    Se voces ateus ou seja lá o os outros professam outras escolas puderem me explicar isso. Se provarem que os fatos narrados há 2 mila anos por Jesus foram conversa fiada, virarei ateu. não tem problema.

    Fatos narrados na Biblia , quais ??

    a)- O dia que virou noite (Eclipse total…) quando ele foi crucificado e que nenhum historiador da época registrou em nenhum lugar fora da Biblia e que a Nasa desconhece em seu site, onde tem todos os eclipses totais e parciais do sol, desde 2.000 anos antes da era cristã, até os que ainda acontecerão mil anos para a frente ?

    b)- O terremoto que se seguiu e os mortos que ressuscitaram e que foram vistos por centenas de pessoas que estavam em Jerusalém para a Pessach e que ninguém registrou em nenhum lugar fora da biblia ? (Claro, quem é que ia perder tempo com isso, mortos ressuscitando e andando pelas cidades é uma coisa tão corriqueira, não é mesmo ??)

    c)- A troca de jesus por barrabás, que a biblia diz que era um costume a troca de prisioneiros, mas que os judeus contestam pois isso jamais fez parte do costume judaíco?

    d) A ressurreição de Lazáro, que estava apodrecido em um tumulo, de repente saiu andando, conversando e não se falou mais sobre ele na Biblia e ninguém registrou um fenômeno desses em nenhum livro, em nenhuma carta fora da biblia ? Há sim..claro…como eu disse, quem ia se importar com um cadáver andando por aí e conversando com todo mundo, quem ia se importar em registrar isso de alguma forma, um fato tão corriqueiro e natural…não é mesmo ?

    etc., etc…

    Talvez não estejas falando dos ensinamentos – Amar ao próximo, não fazer aos outros o que não queres que façam a ti mesmo, etc…

    Ora, nenhum desses ensinamentos era original:

    O budismo e o janaismo na India já ensinavam 700 anos antes de Cristo que deviamos viver em harmonia e que deveriamos nos desapegar dos bens materiais.

    Sócrates e Platão já ensinavam isso na Grécia clássica.

    Confucio na China 500 anos antes de Cristo já dizia que não deveriamos fazer aos outros o que não quisessemos que fosse feito a nós, bem como ensinava a humildade, o desapego, a compreensão e fazer o bem.

    O budismo e o taoismo, mais antigos ainda, também ensinavam esses princípios, ou seja, o cristianismo nada mais foi do que a compilação de uma série muito mais antiga de ensinamentos e filosofias de vida absorvidas pelos judeus pelos lugares em que eles passaram e dos povos com quem tiveram contato e à partir disso criaram o mito de jesus, que nada mais é do que um deus solar como Osiris, Mitra e tantos outros, ou seja, um avatar criado para cumprir as profecias judaicas.

    Um abraço !!!!

  34. São 135 biblias diferentes, já que citaste trechos da biblia, faça uma coisa,procure uma biblia fiel aos fatos e a interpretações, respeitanto a diferença de épocas e culturas, procure ler a bibli hebraica, ai voce vai entender muita coisa.

  35. Carlos Ramos

    É mesmo ??

    Leste a bíblia hebraica então ???

    Só falta me dizer que foi em hebraico…essa vai ser mais dura de engolir do que a histórinha da tua filha que falou contigo em uma sessão espirita.

    Quanto mais falas, mais te enrolas.

    Tudo o que falamos até agora foi sobre os evangelhos e os evangelhos estão no novo testamento.

    Como o novo testamento foi escrito originalmente em grego e não hebraico, isso significa que o texto hebraico do novo testamento é mais uma tradução, sendo assim acrescento às 135 versões que levantaste mais essa: agora temos 136, uma pior que a outra…ou seja, destes um tiro no próprio pé.

    É com base nesse livrinho tosco, escrito por homens da idade do bronze, em uma época em que acreditavam que a terra era o centro do universo, que era chata e o sol era quem girava ao redor dela (A biblia afirma isso textualmente…), é co base nesse livrinho tosco que guias a tua vida.

    E te defines como um cético…Crédulo é o que és…

    Bem, mas o que eu disse não tem nada a ver com interpretações, culturas ou diferentes épocas.

    Eu disse e reafirmo que, os evangelhos seja, a tradução que preferires (Já que és proficiente em hebraico serve essa versão mesmo…), narram fatos que não tem comprovação nenhuma em registros independentes (Sejam de historiadores do primeiro século, seja de cartas escritas pelos personagens, etc…), que comprovem uma só linha de tudo o que ali está.

    Ou seja, jesus não existe para a história, ele é somente um personagem mítico de uma religião, das tantas que já existiram, que fez feitos extraordinários, etc…, mas não no mundo real…, pois esse mundo ele jamais habitou.

    O silêncio da história sobre o mitico jesus é brutal, é avassalador, é revelador de que ele nunca passou de um mero personagem da mitologia judaíca.

    Mas, não esquecendo, pois ainda estou esperando, é tua resposta sobre como podemos provar cientificamente que as afirmações do espiritismo são reais.

    Se o espiritismo é cientifico com afirmaste e tu és um seguidor dessa religião (Além de cético…), tenho certeza que tens total intimidade com o método cientifico e não terás dificuldade em enviar-me as provas solicitadas anteriormente.

    Continuarei no aguardo…

    Um abraço !!!!

  36. Entendeu agora o motivo de eu ter chamado de ridículo todo este debate inutil? eu sou um profundo estudioso da lingua hebraica, e de bandeja te dou um pouco de aramaico, que seria como um portunhol. Agora vamos parar por aqui porque é melhor não mais perder mos tempo com essas bobagens. O mundo agora está precisando da nossa ajuda nos hospitais e na educação. E ajuda exige muito trabalho. Então vamos trabalhar? Abraços fraternos amigo e juízo heim, não caia no erro de achar que caimos aqui de paraquedas.

  37. Carlos Ramos

    Vieira:

    a) Se é ridículo o debate, porque apontaste a biblía hebraica e toda aquela história de relativizar as diferentes culturas, etc., como se essa versão e essa relativização viesse a revelar alguma verdade profunda capaz de provar que o teu jesus teve existência histórica e dar um sentido a isso que chamas de ridiculo ?

    Na verdade foi uma tentativa tua de tentar me ganhar no grito e que não colou…

    b) Profundo estudioso de língua hebraica e aramaico, ?…sei..sei…sei…mesmo que fosse verdade, é uma informação irrelevante e dispensável, pois não conseguiste refutar a minha afirmação de que jesus não teve existência fora da biblia e que tua fé é vã e isso não tem nada a ver com o idioma//versão da biblia, o teu jesus nunca passou de um avatar.

    c) A tua filha morta falou contigo…hã-hã….sei…imagina se ia aparecer um crente espirita aqui e não ia contar uma historinha de fantasma? É o mesmo que debater com um evangélico e esperar que em algum momento do debate ele não vá apelar e dizer que era um bêbado/estuprador e que agora encontrou jesus e foi curado – Aleluia !!!

    d) Espiritismo é uma fé raciocinada (Fé raciocinada ????…A fé é a própria negação da razão, são coisas incompatíveis). Quem raciocina, perde a fé, é o que aconteceu comigo quando resolvi fechar a bíblia, abandonar as religiões e começar a pensar.

    e) Espiritismo é fé baseada na ciência…pois…pois (Acham que se apropriar de alguns termos científicos, rebuscar seus textos com algumas palavras e expressões próprias da ciência fazem do espiritismo uma ciência ? .pseudociência, picaretagem, isso sim).

    f) O mundo está precisando de nossa ajuda em hospitais e na educação ? Não sei qual ajuda podes prestar nos hospitais (Além de profundo estudioso do hebraico e aramaico, és médico também ??), mas, considerando-se o teu conceito equivocado de ciência, certamente, na educação não há nada em que possas ajudar.

    Em resumo és mais um crente que fala, fala, fala, não prova nada e não refuta nenhum argumento.

    Um abraço !!!

  38. Gabriel Bassi

    Vieira, prove os seus comentários. Cientificamente falando (e sem enrolação)

  39. Marcos Cesar

    Eu estava pensando em escrever algo aqui, mas vejo que é pura perda de tempo. Então deixo aqui apenas uma resposta do Dr. Bezerra de Menezes a um ateu: Confronto entre Materialismo e Espiritismo
    “Conta-se que o Dr. Adolfo Bezerra de Menezes orientava, no Rio, uma reunião de estudos espíritas, com a palavra livre para todos os circunstantes, quando, após comentários diversos, perguntou se mais alguém desejava expressar-se nos temas da noite.
    Foi então que renomado materialista, seu amigo pessoal, lhe dirigiu veemente provocação:
    – Bezerra, continuo ateu e, não somente por meus colegas mas também por mim, venho convidá-lo a debate público, a fim de provarmos a inexpugnabilidade do Materialismo contra as pretensões do Espiritismo. E previno a você que o Materialismo já levantou extensa lista de médiuns fraudulentos; de chamados sensitivos que reconheceram os seus próprios enganos e desertaram das fileiras espíritas; dos que largaram em tempo o suposto desenvolvimento das forças psíquicas e fizeram declarações, quanto às mentiras piedosas de que se viram envoltos; dos ilusionistas que operam em nome de poderes imaginários da mente; e, com essa relação, apresentaremos outro rol de nomes que o Materialismo já reuniu, os nomes dos experimentadores que demonstraram a inexistência da comunicação com os mortos; dos sábios que não puderam verificar as factícias ocorrências da mediunidade; dos observadores desencantados de qualquer testemunho da sobrevivência; e dos estudiosos ludibriados por vasta súcia de espertalhões… Esperamos que você e os espíritas aceitem o repto.
    Bezerra concentrou-se em preces, alguns instantes, e, em seguida, respondeu, aliando energia e brandura:
    – Aceitamos o desafio, mas tragam também ao debate aqueles que o Materialismo tenha soerguido moralmente no mundo; os malfeitores que ele tenha regenerado para a dignidade humana; os infelizes aos quais haja devolvido o ânimo de viver; os doentes da alma que tenha arrebatado às fronteiras da loucura; as vítimas de tentações escabrosas que haja restituído à paz do coração; as mulheres infortunadas que terá arrancado ao desequilíbrio; os irmãos desditosos de quem a morte roubou os entes mais caros, a cujo sentimento enregelado na dor terá estendido o calor da esperança; as viúvas e os órfãos, cujas energias terá escorado para os caluniados aos quais terá ensinado o perdão das afrontas; os que foram prejudicados por atos de selvageria social mascarados de legalidade, a quem haverá proporcionado sustentação para que olvidem os ultrajes recebidos; os acusados injustamente, de cujo espírito rebelado terá subtraído o fel da revolta, substituindo-o pelo bálsamo da tolerância; os companheiros da Humanidade que vieram do berço cegos ou mutilados, enfermos ou paralíticos, aos quais terá tranqüilizado com princípios de justiça, para que aceitem pacificamente o quinhão de lágrimas que o mundo lhes reservou; os pais incompreendidos a quem deu força e compreensão para abençoarem os filhos ingratos e os filhos abandonados por aqueles mesmos que lhes deram a existência, aos quais auxiliou para continuarem honrando e amando os pais insensíveis que os atiraram em desprezo e desvalimento; os tristes que haja imunizado contra o suicídio; os que foram perseguidos sem causa aparente, cujo pranto terá enxugado nas longas noites de solidão e vigília, afastando-os da vingança e da criminalidade; os caídos de toda as procedências, a cujo martírio tenha ofertado apoio para que se levantem…
    Nesse ponto da resposta, o velho lidador fêz uma pausa, limpou as lágrimas que lhe deslizavam no rosto e terminou:
    – Ah! meu amigo, meu amigo! … Se vocês puderem trazer um só dos desventurados do mundo, a quem o Materialismo terá dado socorro moral para que se liberte do cipoal do sofrimento, nós, os espíritas, aceitaremos o repto.
    Profundo silêncio caiu na pequena assembléia, e, porque o autor da proposição baixasse a cabeça, Bezerra, em prece comovente, agradeceu a Deus as bênçãos da fé e encerrou a sessão.”…………………………….

  40. edimar vieira

    Desculpem, escrevi rápido e deixei falhas de concordância. Retificando.

    Carlos e Gabriel, quem tem que provar o contrário são vocês. Não são vocês, que parecem não ter mais nada com o que se preocupar senão com a doutrina espírita, que também não se intitula dona da verdade, que devem provar alguma coisa? Está na hora meninos de colocar a mão na massa. Me tragam fatos científicos novos que eu passarei a fazer parte da vossa tribo. Acaso eu, vocês ou a doutrina iremos conseguir mudar 1 vírgula na história e na verdade dos fatos? Faço minha as palavras do Dr. Bezerra acima. Vocês desafiadores, são os quem tem que provar o contrário. A minha referência sobre a bíblia hebraica nada tem a ver com os credos e sim, com o esclarecimento dos fatos na sua forma verídica, exatamente para evitar falsas crenças que a ciência de hoje não admite. Ou vocês também não acreditam na história? INTÉ!

  41. Gabriel Bassi

    Caro Edimar, o que você nos pede se chama “inversão do ônus da prova”. É uma falacia comumente utilizada para tentar mudar o responsável por mostrar os fatos relevantes a uma questão.

    Por exemplo. O Espiritismo em si foi comprovadamente mostrado que é uma mentira (vide nossos posts sobre Experiencias de Quase Morte ou a má ciencia feita pelo Alexandre Moreira). Se há alguém que tem de mostrar que o Espiritismo é verdadeiro, que realmente os eventos espíritas e de possíveis espíritos realmente acontecem, são os defensores do espiritismo, não aqueles que sabem que o espiritismo é uma farsa.
    Em resumo, quem tem de oferecer as provas necessárias para sua sustentação (espiritismo) são os seus defensores.

    Aliás, a história já foi mudada há muito tempo: O Espiritismo não existe, é uma mentira, e quem se utiliza dela são pessoas que agem de má fé explorando o sofrimentos de outras pessoas. Se vc se sentir ofendido com essa frase, cabe a VOCÊ mostrar evidências do contrário, não eu.

  42. edimar vieira

    Me diga por favor, para encerrarmos de vez esse assunto torpe, requentado e desproporcional, já que não sabemos é de ‘nada’ que ocorre ao nosso redor, devido a nossa matéria rastejante e grosseira, visto que nem o ar, existente e que nos mantém vivos, conseguimos enxergar. Quando foi que o espiritismo bateu a sua porta para pedir que acredites na sua verdade? Quando foi que algum carro de som, fazendo proselitismo, passou pela sua rua convocando o para se integrar as nossas fileiras?
    A mim não me interessa se é mentira ou verdade, se é fraude ou não, se o Chico chorou ou sorriu, enfim, o que me interessa,sem dogma ateu ou religioso, materialista ou espiritualista, é estudar as inúmeras opções que me levam a investigar, esclarecer e tentar entender, não nessa ordem, nem na visão que seja fora da realidade científica também, o mundo, as pessoas, os sentimentos e a vida que me cerca. Simples assim. Portanto, amigo, não perca seu tempo com esses debates e tampouco me faça perder o meu. Um dia caro amigo, e este dia com certeza chegará, saberemos a verdade. Até lá, só admitirei acreditar naquilo que me convém e me faz bem, o mundo no momento, esta precisando de atitudes urgentes e não de debates sobre o que desconhecemos. Precisamos achar as ferramentas possíveis ao nosso conhecimento atual limitadíssimo, para usa las a nossa favor em questões gravíssimas. Deixemos Deus ou seja lá no que acreditas em paz. Cuide-se bem amigo e bola pra frente que atras vem gente.

  43. Marcos Cesar

    “Cada religião explica Deus à sua maneira; cada teoria o descreve a seu modo. E de tudo isso resulta uma confusão, um caos inextricável. Dessa confusão os ateus têm tirado argumentos para negar a existência de Deus; os positivistas, para o declarar incognoscível. Como remediar tal desordem? Como escapar a essas contradições? Da mais simples maneira. Basta elevarmo-nos acima das teorias e dos sistemas, bastante alto para ligá-las em seu conjunto e pelo que têm de comum. Basta elevarmo-nos até à grande Causa, na qual tudo se resume e tudo se explica. ( 10)
    Duvidar da existência de Deus é negar que todo efeito tem uma causa e avançar que o nada pôde fazer alguma coisa.
    A prova da existência de Deus, como dizem os Espíritos, pode ser encontrada em um […]axioma que aplicais às vossas ciências. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá. ( 6)
    Vemos constantemente uma imensidade de efeitos, cuja causa não está na Humanidade, pois que a Humanidade é impotente para produzi-los, ou, sequer, para explicá-los. Tais efeitos absolutamente não se produzem ao acaso, fortuitamente e em desordem. Desde a organização do mais pequenino inseto e da mais insignificante semente, até a lei que rege os mundos que circulam, no Espaço, tudo atesta uma ideia diretora, uma combinação, uma previdência, uma solicitude que ultrapassam todas as combinações humanas. A causa é, pois, soberanamente inteligente.
    Constitui princípio elementar que pelos seus efeitos é que se julga de uma causa, mesmo quando ela se conserve oculta. Se, fendendo os ares, um pássaro é atingido por mortífero grão de chumbo, deduz-se que hábil atirador o alvejou, ainda que este último não seja visto. Nem sempre, pois, se faz necessário vejamos uma coisa, para sabermos que ela existe. Em tudo, observando os efeitos é que se chega ao conhecimento das causas.
    Outro princípio igualmente elementar e que, de tão verdadeiro, passou a axioma é o de que todo efeito inteligente tem que decorrer de uma causa inteligente. Se perguntassem qual o construtor de certo mecanismo engenhoso, que pensaríamos de quem respondesse que ele se fez a si mesmo? Quando se contempla uma obra-prima da arte ou da indústria, diz-se que há de tê-la produzido um homem de gênio, porque só uma alta inteligência poderia concebê-la. Reconhece-se, no entanto, que ela é obra de um homem, por se verificar que não está acima da capacidade humana; mas, a ninguém acudirá a ideia de dizer que saiu do cérebro de um idiota ou de um ignorante, nem, ainda menos, que é trabalho de um animal, ou produto do acaso.
    Não podendo nenhum ser humano criar o que a Natureza produz, a causa primária é, conseguintemente, uma inteligência superior à Humanidade. Quaisquer que sejam os prodígios que a inteligência humana tenha operado, ela própria tem uma causa e, quanto maior for o que opere, tanto maior há de ser a causa primária. Aquela inteligência superior é que é a causa primária de todas as coisas, seja qual for o nome que lhe deem.
    Pois bem! lançando o olhar em torno de si, sobre as obras da Natureza, notando a providência, a sabedoria, a harmonia que presidem a essas obras, reconhece o observador não haver nenhuma que não ultrapasse os limites da mais portentosa inteligência humana. Ora, desde que o homem não as pode produzir, é que elas são produto de uma inteligência superior à Humanidade, a menos que se sustente que há efeitos sem causa.
    A harmonia existente no mecanismo do Universo patenteia combinações e desígnios determinados e, por isso mesmo, revela um poder inteligente. Atribuir a formação primária ao acaso é insensatez, pois que o acaso é cego e não pode produzir os efeitos que a inteligência produz.(UM ACASO INTELIGENTE JÁ NÃO SERIA ACASO).
    Deus não se mostra, mas se revela pelas suas obras.
    A existência de Deus é, pois, uma realidade comprovada não só pela revelação, como pela evidência material dos fatos. Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram; entretanto, creem instintivamente na existência de um poder sobre-humano. Eles veem coisas que estão acima das possibilidades do homem e deduzem que essas coisas provêm de um ente superior à Humanidade.”

  44. Marcos Cesar

    “NÃO É POR ACASO QUE TÊM SURGIDO MUITOS ATEUS FANÁTICOS
    Abalado está é o ateísmo, pois avança com a ciência o espiritismo
    Comparo o espírito com a antimatéria. E o espiritualista é também, de certo modo, materialista, pois aceita igualmente a realidade da matéria e da energia. Mas é capenga o cientista materialista por admitir só a realidade da matéria, quando o espiritualista admite também o seu oposto. Fica bem aqui o que disse Einstein: “A religião sem ciência é cega, e a ciência sem religião é aleijada”.
    Para a física quântica, as coisas invisíveis são mais importantes do que as visíveis. E o espírito é invisível. Enquanto encarnado, ele se manifesta através de seu corpo. Desencarnado, ele precisa do corpo de um médium para se comunicar conosco.
    Mas o espírito do médium tem que vibrar na sintonia da do espírito comunicante. E os espíritos se atraem reciprocamente por serem semelhantes entre si em evolução. Em outras palavras, são da mesma sintonia.
    Na verdade, a comunicação é feita de períspirito para períspirito, palavra criada por Kardec e que tem similares em todas as culturas da história da humanidade. Orígenes, do terceiro século, denominou-o de aura. Sua matéria é de quinta-essência, isto é, muito sutil. São Paulo o chamou de corpo espiritual. Os cientistas russos descobriram-no em 1945 e denominaram-no corpo bioplasmático. Ele liga o espírito ao corpo. E é o corpo do espírito desencarnado. É ele que se materializa nos chamados fenômenos de materializações (equitoplasmia), como aconteceu com Jesus depois de sua morte. E essa materialização de um ser de matéria quinta-essenciada é diferente da de um ser de matéria comum. Ele, para materializar-se, usa o ectoplasma do médium, de outras pessoas e dos elementos da natureza próximos do fenômeno.
    O físico inglês Crokes é um dos cientistas mais famosos da história. Mas, justamente por ter sido espírita, ele foi perseguido e tem seu nome ainda desonrado por cientistas materialistas. E pressionaram para que ele não recebesse seus vários títulos honoríficos. Daí uma polêmica sobre se ele ganhou ou não o prêmio Nobel de Física em 1919, ano em que desencarnou. (Teria conquistado esse prêmio, mas não o recebeu?). Muitos autores afirmam que ele ganhou esse título. Exemplo: Décio Iandoli Jr, em “A Reencarnação como Lei Biológica”, página 20, Editora FE Jornalística, SP, 2005. Décio tem doutorado de medicina em cirurgia e é catedrático da Universidade Federal Paulista (Unifesp-EPM). Mas é aceito sem polêmicas que Croques ganhou o prêmio Nobel de Química em 1907. E ele pesquisou e comprovou a realidade dos fenômenos espíritas.
    Os cientistas materialistas do passado incomodavam-se muito com a Igreja. Os de hoje se preocupam mais é com o espiritismo, por ser ele uma religião científica. Os espíritas são como os israelenses, que representam um país pequeno em área e população, mas com um invejável avanço tecnológico-científico de Primeiro Mundo. Não é, pois, por acaso, que têm surgido muitos ateus fanáticos contra a doutrina codificada por Kardec, “o bom senso encarnado”. E não é surpreendente que esta coluna, principalmente na internet, tem incomodado muita gente.
    Ela é atacada pelos grupos religiosos tradicionais e pelos cientistas materialistas, cujas teses têm-se tornado desacreditadas porque, como disse Huberto Rohden, o materialismo agoniza por escassez de matéria!””

  45. Gabriel Bassi

    Desculpe, Edimar, mas a sua resposta apela para a demagogia e outras falhas intelectuais

    É engraçado as pessoas dizerem que “acreditam naquilo que convém a elas”, negando os fatos proporcionados em redor.

    Se vc diz que “A mim não me interessa se é mentira ou verdade”, então você não está em posição de fazer qualquer julgamento, seja em favor ou contra a ciencia ou o espiritismo. Essa sua frase anula completamente o seu interesse de “estudar as inúmeras opções que me levam a investigar, esclarecer e tentar entender”.

    Vc deveria rever seus conceitos, pois a sua resposta está esquizofrenicamente confusa, constituindo um suicídio intelectual e um certo culto a ignorancia que irrita até mesmo os mais preparados.

  46. edimar vieira

    Você nunca vai conseguir entender nada, mas continue investigando, quem sabe apresente algo concreto no futuro.
    Felicitações sinceras.

  47. Gabriel Bassi

    Caro Edimar.

    Novamente vc se utiliza da inversão do ônus da prova para poder descaracterizar a minha resposta. Que feio!!

    Vc mesmo deveria ter indicado provas e estudos comprovando suas ideias (que não sejam esquizofrênicas) para, de um modo elegante e correto, refutar o texto em questão.

    Felicitações sinceras também prá vc e seu alter-ego esquizofrênico. Ou uma única felicitação para a sua personalidade bipolar. Aguardo suas evidências

  48. Gostaria de agradecer Gabriel Bassi e Carlos Ramos por trazerem racionalidade a este blog. Eu ia postar uma longa mensagem, mas felizmente voces derrubaram os dogmas usando ferramentas simples de lógica.

    Já que li esta longa thread, e para não perder a viagem… lá vai:

    Me parece que os fenomenos espiritas são fenomenos psiquicos do “médium”, exclusivamente. Em outras palavras, são fenomenos que ocorrem no cérebro do “médium”, devido a processos físicos, materiais, que podemos explicar em determinado grau utilizando somente Ciência. Deixando bem claro: não são necessários espíritos para explicar o que acontece.

    Por exemplo, o Out of Body Experience (OBE) pode ser explicado através de um deslocamento ou predominância do lado direito do cérebro sobre o lado esquerdo do cérebro. Tem um video muito interessante que mostra a experiência de uma naurocientista que sofreu um acidente vascular do cerebro ela mesma: http://www.themindvoyager.com/portfolio/stroke-of-insight-jill-bolte-taylor/

    Um par de vezes, tive OBEs e hoje entendo como a meditação participa no processo. Em poucas palavras, na meditação você voluntariamente suprime sua mente linear racional, provida pelo lado esquerdo do cérebro, então (eu suponho) prevaleceriam os devaneios providos pelo lado direito do cérebro.

    Outros casos, que não OBE, ainda não arrisco expressar minha opinião formal, mas posso adiantar que não são necessários espíritos para explicá-los. Aos poucos, estou coletando casos típicos e exemplos que apresentam o contraponto estritamente cientifico que é bem compreendido.

    De qualquer forma, não vejo motivo para suportar a idéia de que espiritos existam.

    Venho de familia espírita e devo admitir que romper com a “mente doutrinada desde a infancia” não é tarefa fácil. Tenho “médiums” na família e, neste caso, eu teria de admitir que existem esquizofrenicos na família, o que não me agrada muito. Mas, ao menos, fico satisfeito em hoje entender melhor “o que é isso” que sempre achei tão estranho desde minha infância.

    Quanto ao “Espiritismo Científico”, os espiritas precisam urgentemente aprender o que significam algumas palavras, no contexto cientifico:

    1. Conceito: Conjectura, Hipotese, Teoria e Lei
    2. Conceito: Evidencia

    Sem entender os itens acima, não é possivel nem mesmo ousar dizer que você esteja abordando qualquer assunto que seja de forma cientifica.

    O itens 3 e 4 abaixo são “avançados” e, por isso, eu deixaria como opcionais.

    3. Estudar Estatistica, em particular Regressão e p-value
    4. Livro: http://www.amazon.co.uk/How-Win-Every-Argument-Abuse/dp/0826498949

    Também é necessário estudar os fatos históricos que cercam o Novo Testamento e os “Conselhos” da Igreja até o ano 500. Isso ajuda a entender o quanto do Novo Testamento pode ser considerado real (fato histórico) e o quanto deve ser considerado mito e, portanto, ignorado. Este aqui seria um pontapé inicial sobre o assunto:

    Obrigado

  49. Meus Estudos Psíquicos.

    Gostaria de colocar minhas observações espiritistas e racionalistas, como sou estudioso do Espiritismo e do Racionalismo Cristão, tenho minhas próprias conclusões sobre o tema, gostaria de dizer que eu só estou colocando minha opinião somente isso.
    O Mestre Luis de Mattos codificador do Espiritismo Cientifico, também condena essas praticas primitivas e atrasadas, assim como Herculano Pires.
    Essa é minha opinião.
    A identidade dos Espíritos desencarnados.

    1)As comunicações e mensagens que vem dos espíritos desencarnados tem que ser analisadas com muito cuidado e critérios doutrinários, existe no mundo espiritual ou plano astral muitos espíritos maliciosos, astutos, mentirosos, embusteiros, hipócritas e mistificadores.
    Eles podem tomar nomes falsos, nomes importantes e pomposos para iludir e enganar as pessoas.
    Eles podem usar uma Linguagem melosa, suave, doce e sedutora para mistificar.
    Eles podem também tomar formas perispirituais falsas para enganar os médiuns videntes, o perispirito ou corpo astral é flexível ou plasmavel ao pensamento dos espíritos, eles podem plasmar formas fluídicas falsas e se apresentarem numa reunião mediúnica e enganar os videntes.
    Como evitar esses espíritos enganadores e mentirosos???
    O Mestre Allan Kardec e o Mestre Luis de Mattos explanam em suas obras, que devemos passar todas as comunicações, mensagens e ensinamentos dos espíritos desencarnados pelo Crivo severo da Razão e da Lógica mais rigorosa, só devemos aceitar o que tiver um nível Racional elevado e um nível Moral positivo e nobre.
    Qualquer sinal de grosseria, vulgaridade, idéias sem lógica, idéias sem base racional, idéias sem elevação moral, coisas místicas sem fundamento, vamos concluir que são espíritos atrasados que estão se comunicando.
    Os Espíritos de Luz ou Espíritos Elevados possuem sempre uma Linguagem digna, nobre, pura, lógica, com idéias racionais e morais elevadas, sua Linguagem é sempre moralizadora, ensinando a pratica do Bem, da caridade e das virtudes.
    Os Espíritos Elevados são Virtuosos em seus ensinamentos.
    Vejamos um exemplo.
    Um espírito desencarnado se manifesta numa reunião mediúnica pedindo farofa, charutos, cachaça, despachos, velas, sacrifícios de pobres animais, vamos concluir o que????
    Um Espírito de Luz vai pedir essas coisas???
    Claro que não, somente espíritos apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos é que pedem esses absurdos.
    Vamos raciocinar.
    Os Espíritos de Luz estão moralmente depurados, eles não possuem mais apegos a paixões matérias, vícios e desejos, quem esta apegado as sensações matérias são espíritos ainda atrasados.
    Vejamos as palavras de Chico Xavier sobre essa questão.
    Para espíritos de luz, ou seja, espíritos superiores e puros, não existem necessidades materiais. Os espíritos que trabalham nos terreiros, em sua grande maioria, são aqueles que ainda guardam grandes necessidades das sensações terrenas e por isso usam os médiuns para absorvelas; quando não têm, fazem-no através dos despachos. São, na classificação da Doutrina Espírita, chamados de espíritos mais simples. É claro que existem aqueles outros que, mesmo tendo condição moral mais elevada,
    manifestam-se nos terreiros de Umbanda, guardando os procedimentos ali adotados.

    Chico Xavier fala, que os Espiritos de Luz não possuem necessidades matérias.

    Repetimos, espíritos que pedem essas coisas matérias não são Espíritos de Luz, não são Espíritos Elevados, são espíritos moralmente atrasados e muito deles podem ser maldosos, intrigantes, maliciosos e obsessores, cuidado, fique esperto nesses assuntos.
    Não se deixe seduzir pela Linguagem melosa, suave e doce desses espíritos ( espíritos de caboclos e preto velhos) eles falam macio.
    São lobos em pele de ovelhas.
    Muitas pessoas pensam só por que um espírito quando encarnado foi preto velho ou índio é um Espirito bom ou de Luz.
    Existe muitos pretos velhos, brancos velhos e índios que quando estavam encarnados, foram pessoas maldosas, desonestas, egoístas, intrigantes, viciosos, as qualidades morais não estão na matéria física ou matéria corporal estão no Espírito que é o ser pensante.
    Não é por que um espírito quando estava encarnado foi branco, negro, mestiço ou amarelo, que ele quando desencarnar vai ser um Espírito Bom e de Luz, nada disso.
    Existe muitos espíritos desencarnados de brancos e negros que são espíritos impuros e obsessores.
    Veja o que o Grande Divaldo Franco fala sobre essa questão.
    “ nós achamos que o fato de ter sido preto e velho, tem que ser Espírito Bom, e não é.
    Pois houve muito preto velho escravo que era mau, tão cruel quanto o branco, insidioso e venal. O fato de ter sido preto ou branco não quer dizer que seja um Espírito Bom.”

    2)Veja as palavras de Divaldo.
    “… Na cultura brasileira, remanescente do africanismo, há uma postura muito pieguista, que é a do preto velho. E muitas pessoas acham que é sintoma de boa mediunidade ser intrumento de preto velho. Quando lhe explicamos que não há pretos velhos, nem brancos velhos, que todos são Espíritos, ficam muito magoadas, dizendo que nós, espíritas, não gostamos de pretos velhos. E lhes explicamos que não é o gostar ou não gostar. Se tivessem lido em ‘O Livro dos Médiuns’, ‘O Laboratório do Mundo Espiritual’, saberiam que se a entidade mantém determinadas características do mundo físico, é porque se trata de um ser atrasado. Imagine o Espírito que manquejava na Terra, porque teve uma perna amputada, ter de aparecer somente com a perna amputada. Ele pode aparecer conforme queira, para fazer-se identificar, não que seja o seu estado espiritual. Quando, ao retornar à Pátria da Verdade, com os conhecimentos das suas múltiplas reencarnações anteriores, pode apresentar-se conforme lhe aprouver.

    Então, a questão do preto velho é um fenômeno de natureza animista africanista, de natureza piegas. Porque nós achamos que o fato de ter sido preto e velho, tem que ser Espírito bom, e não é. Pois houve muito preto velho escravo que era mau, tão cruel quanto o branco, insidioso e venal. E também houve e há muito branco velho que é venal, é indigno e corrompido. O fato de ter sido branco ou preto não quer dizer que seja um Espírito bom.

    Cabe ao médium ter cuidado com esses atavismos, e quando esses Espíritos vierem falando errado, ou mantendo os cacoetes característicos das reencarnações passadas, aclarar-lhes quanto à desnecessidade disso. Porque se, em verdade, o preto velho quer falar em nagô, que fale em nagô, mas que não fale um enrolado que não é coisa nenhuma. Ou, se a entidade foi alemã na Terra e não logre falar o idioma do médium, que fale alemão, mas que não fale um falso alemão para impressionar. O médium só poderá falar o idioma no qual ele já reencarnou em alguma experiência passada. Desde que não há milagres nem sobrenatural, o médium é um instrumento. Sendo a mediunidade um fenômeno orgânico, o Espírito desencarnado vai utilizar o que encontre arquivado no psiquismo do médium, para que isto venha à baila.” (Extrato de um ensaio do médium Divaldo Pereira Franco, que tem como título “Consciência”)

    3) É por isso que eu falo, devemos raciocinar muito nesses assuntos.
    Todos as comunicações mediúnicas tem que ser analisadas pelo Crivo severo da Razão e da Lógica mais rigorosa, só devemos aceitar aquilo que tem uma base Racional e Moral elevada, os espíritos embusteiros e mistificadores não suportam o exame racional das suas mensagens e comunicações.
    Vejamos as palavras do Mestre Kardec sobre essa questão.

    “Os maus Espíritos temem o exame; eles dizem: ‘Aceitai nossas palavras e não as julgueis.’ Se tivessem a consciência de estar com a verdade, não temeriam a luz. O hábito de escrutar as menores palavras dos Espíritos, de pesar-lhes o valor, distancia forçosamente os Espíritos mal intencionados, que não vêm, então, perder inutilmente seu tempo, uma vez que se rejeite tudo o que é mau ou de origem suspeita. Mas quando se aceita cegamente tudo o que dizem, que se coloca, por assim dizer, de joelhos diante de sua pretensa sabedoria, fazem o que fariam os homens – disso abusam.” (Allan Kardec, Escolhos dos Médiuns, Revista Espírita, fevereiro de 1859)

    Como disse Kardec, os maus espíritos temem o exame.

    4) Muitos centros de umbanda, candomblé, quimbanda e centros de magia, praticam sacrifícios de pobres animais e evocam espíritos desencarnados para tratar de assuntos matérias vulgares como, sorte com o dinheiro, sorte com as mulheres, volta da pessoa amada,
    revelar tesouros ocultos, predizer o futuro etc…
    Os Espíritos de Luz ou Espíritos Elevados jamais vão tratar de assuntos matérias vulgares como esses, os Espíritos de Luz só tratam de assuntos morais nobres e importantes para nossa evolução espiritual.
    O s Espíritos de Luz pregam o Bem, a caridade, a educação, a disciplina, a ordem, as virtudes, a honestidade, é um grande erro pensar que os espíritos elevados vão se misturar com essas coisas de baixo nível moral.
    Uma outra questão importante, os Animais são nossos irmãos menores na escala evolutiva, devemos respeitar e amar os animais esse é o nosso Dever, pessoas ignorantes e maldosas sacrificam animais inocentes nesses rituais sangrentos e primitivos para agradar espíritos inferiores e obsessores do plano astral, esses espíritos inferiores vão sugar os fluidos vitais do SANGUE desses pobres animais, é por isso que eles pedem tais sacrifícios, é para alimentar o vampirismo.
    Vocês acham que Espiritos Superiores vão pedir sacrifícios de animais, despachos, velas, cachaça e charutos, procurem raciocinar, não seja vaidoso, seja espírita racionalista.
    Existe muitos centros de umbanda que não praticam tais absurdos e muitos umbandistas sérios e corretos também repelem essas coisas.

    5) Algumas pessoas falam que o uso de charutos e cachaça usado pelos espíritos desencarnados nos centros de umbanda são para realizar trabalhos espirituais de cura ou desfazer trabalhos de magia negra.
    Vejamos, cachaça e charutos virou remédio espiritual, virou energia espiritual positiva, para realizar curas, os Espíritos Superiores e os Bons espíritos pedem cachaça e charutos nos seus trabalhos???
    Isso não tem base Racional isso é pura ignorância.
    Perguntamos, vocês acham que os Espíritos de Luz vão precisar dessas coisas???
    Para realizar curas espirituais têm que ser usados fluidos puros, suaves e luminosos dos planos superiores e somente os Espíritos Elevados podem manipular esses fluidos luminosos.
    Quem pede essas coisas matérias são espíritos inferiores ainda apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos, como eles não possuem mais seus corpos físicos para saciarem esses vícios e desejos torpes, eles vão se encostar num encarnado que esteja bebendo ou fumando e vão sugar as emanações fluídicas da nicotina e do álcool, esse é o vampirismo psíquico.
    Esses médiuns da umbanda e do candomblé que ficam usando cachaça, cigarros e charutos são VAMPIRIZADOS por espíritos obsessores do plano astral.
    É ridículo pensar que os Espíritos Superiores e os Espíritos de Luz vão pedir velas, cachaça, charutos, cigarros, despachos e sacrifícios de pobres animais.
    O mundo espiritual é regulado pela Lei das atrações psíquicas ou sintonia vibratória, os semelhantes se atraem e os diferentes se repelem, esses médiuns que usam essas coisas estão atraindo espíritos desencarnados que também gostam dessas coisas negativas, ou seja, espíritos moralmente atrasados.
    Cachaça, cigarros, charutos vão atrair espíritos inferiores ainda viciados nessas substancias tóxicas e muitas pessoas falam que os Espíritos de Luz pedem isso, é muita ignorância.
    Esses centros de macumbas são verdadeiros chiqueiros espirituais cheios de imundícies morais, e somente espíritos sujos e impuros atuam nesses chiqueiros.

    6) Os Espíritos de Luz só podem se aproximar de um ambiente, quando esse ambiente tem pessoas com pensamentos elevados, nobres e positivos, pela sintonia vibratória dos pensamentos o bem tem sintonia com o bem e o mal tem sintonia com o mal.
    Para se atrair os Espíritos de Luz ou Espíritos Elevados temos que criar um ambiente moralmente positivo com intenções puras e honestas na pratica sincera do Bem, da caridade e das Virtudes, temos que cultivar a prece sincera e pensamentos nobres, temos que ter disciplina e ordem moral.
    Os Espíritos de Luz vão é nas reuniões serias que tem por base a elevação Moral e a pratica das Virtudes.
    Perguntamos.
    Vocês acham que os espíritos elevados vão nesses centros que tem sacrifícios de animais, despachos, cachaça, cigarros e charutos???
    Vocês acham que os espíritos elevados ou espíritos de Luz vão pedir essas coisas???
    Uma outra questão
    Os assuntos tratados nesses centros de macumbas são assuntos matérias vulgares como, sorte com o dinheiro, sorte com as mulheres, predizer o futuro, volta da pessoa amada, revelar tesouros escondidos etc…
    Perguntamos.
    Vocês acham que os Espiritos Superiores ou Espiritos de Luz vão tratar desses assuntos matérias mesquinhos e vulgares terra a terra??
    Somente espíritos inferiores e obsessores da atmosfera terrena é que tratam dessas porcarias, portanto, esses centros de macumbas são verdadeiros chiqueiros espirituais, como explicou o Mestre Luiz de Mattos em seu Livro Cartas Oportunas sobre Espiritismo.
    Os espíritos de Luz não precisam sugar a energia vital das pessoas para se comunicarem, eles precisam de Correntes de Pensamentos puros, elevados e nobres, para se sintonizar nessas correntes e baixar vibratoriamente ate o plano terreno.
    Eles precisam de Correntes fluídicas positivas e moralmente elevadas.

    Não estou criticando pessoas estou analisando somente idéias e princípios.

    Wilson Moreno

  50. O Espiritismo e o Racionalismo Cristão.

    1) O Espiritismo ou Doutrina Espirita codificada pelo Mestre Allan Kardec coloca vários princípios doutrinários do Racionalismo Cristão, sendo que o Mestre Luiz de Mattos estudou as Obras de Allan Kardec para conhecer os princípios dessa Doutrina.
    Vejamos, o Mestre Kardec coloca em seus Livros que, não existe milagres, não existe o sobrenatural, não existe o maravilhoso, todos os fenômenos espíritas, mediúnicos ou psíquicos são fenômenos NATURAIS regulados por Leis naturais e imutáveis, esse é um principio doutrinário explanado pelo Racionalismo Cristão, a não existência de milagres e do sobrenatural.
    O Mestre Kardec coloca que a fé tem que ser RACIOCINADA e não cega, ou seja, a fé tem que ser Racional, devemos raciocinar para acreditar em alguma coisa.
    O Mestre Luis de Mattos coloca que o ser humano tem que ter um pensamento Racional, livre do misticismo e das fantasias, pela fé racional vamos chegar ao pensamento raciocinado.
    Deus é a Inteligência Suprema a Causa primaria de todas as coisas, essa Inteligência Suprema não tem forma material e nem corporal, Deus é Espírito, portanto a natureza de Deus é espiritual e não material, o Espiritismo explana isso, o Racionalismo Cristão também, Deus sendo Espírito, Ele é Luz, o Grande Foco de Luz.
    Esse Grande Foco de Luz não realiza milagres e nem fatos sobrenaturais, suas Leis são naturais, eternas e imutáveis, o Criador não derroga as suas Leis, elas são Perfeitas e Absolutas, tudo é Harmonia, Sabedoria, Perfeição, Justiça, Beleza profunda na Obra Universal.

    2) O Mestre Kardec fala, que no mundo espiritual ou plano astral existe muitos espíritos enganadores, mentirosos, hipócritas, mistificadores, perturbadores, vingativos e obsessores, esses espíritos inferiores são atraídos pela afinidade ou sintonia vibratória dos pensamentos, são as nossas imperfeições morais que atraem os maus espíritos, essas imperfeições morais são basicamente os maus pensamentos, vícios, maus desejos, maus hábitos e atitudes negativas.
    Portanto, cada pessoa conforme seus pensamentos, sentimentos e atitudes vai atrair bons ou maus espíritos, tudo depende da nossa forma de pensar, sentir e agir.
    O Espiritismo e o Racionalismo Cristão explanam a mesma coisa.
    Temos que combater as nossas imperfeições morais para podermos afastar os maus espíritos ( astral inferior).
    O Mestre Kardec fala em seus livros que, nenhum objeto material tem ação para atrair ou repelir os espíritos desencarnados, somente nossos pensamentos e sentimentos é que tem valor, amuletos, talismã, palavras sacramentais, sinais cabalísticos, roupas brancas, imagens de santos, velas, incenso, são coisas inúteis e místicas sem valor.
    Vamos analisar nisso tudo, que a proteção espiritual quem faz é a própria pessoa conforme seus pensamentos e conduta moral, para afastar os maus espíritos eu tenho que me melhorar moralmente, cultivar pensamentos elevados, cultivar sentimentos nobres, ter atitudes corretas, honestas e dignas e praticar o Bem, a caridade e as virtudes.
    A Defesa psíquica contra os maus espíritos reside nos Valores Morais.
    A prece sincera é uma forma de elevar os pensamentos para Deus o Grande Foco e dessa forma a pessoa entra em sintonia vibratória com os Espíritos de Luz os Espíritos elevados, tudo reside em depurar nossos pensamentos.
    Pensamentos puros, nobres e positivos vai atrair outros pensamentos elevados, o bem atraindo o bem, e dessa forma a pessoa atrai a assistência luminosa dos Espíritos Superiores.
    Pensamentos mesquinhos e vulgares, pensamentos de ódio, raiva, medo, fanatismo, falsidade, egoísmo, desonestidade, racismo, vão atrair outros pensamentos negativos, o mal atraindo o mal, e dessa forma a pessoa entra em sintonia vibratória com espíritos desencarnados que pensam e sentem a mesma coisa, ou seja, espíritos inferiores, perturbadores e obsessores do plano astral.
    Vejamos essa questão.
    Os Espíritos de Luz os Espíritos Elevados podem se aproximar de uma pessoa que esteja vibrando maus pensamentos, maus sentimentos, vícios???
    Vibrações mentais com a mesma freqüência se atraem.
    Vibrações mentais com freqüências diferentes se repelem.
    Portanto, os Espíritos de Luz só podem se aproximar das pessoas que estejam vibrando bons pensamentos e bons sentimentos.
    Nós é que temos que criar condições mentais e vibratórias positivas para podermos atrair a assistência dos Espíritos Elevados.
    Tudo depende dos Valores morais e mentais das pessoas.

    3) Uma outra questão muito importante no Espiritismo.
    Os espíritos de Luz ou espíritos elevados, não possuem necessidades matérias, eles estão moralmente depurados dessas coisas.
    Os espíritos que se apresentam em certas reuniões mediúnicas pedindo cachaça, cigarros, charutos, velas, despachos e sacrifícios de animais inocentes, são na realidade espíritos ainda apegados a matéria e aos vícios e desejos terrenos.
    São espíritos moralmente atrasados e muitos desses espíritos podem ser maldosos, vingativos, embusteiros e obsessores.
    São lobos em pele de ovelhas, cuidado.
    Eu não estou criticando pessoas e nem religiões, eu estou analisando certas praticas e princípios somente isso.
    O Mestre Allan Kardec e o Mestre Luis de Mattos, falam, que devemos analisar tudo que venha do mundo espiritual, pelo crivo severo da Razão e da Lógica mais rigorosa, só devemos aceitar um principio quando ele for Racional e tiver uma Moral elevada e sã.
    Não podemos aceitar tudo que venha dos espíritos desencarnados sem rigoroso exame, temos que analisar, raciocinar, questionar, pensar, tudo tem que ser muito bem analisado.
    Perguntamos.
    Vocês acham que os Espíritos de Luz ou Espíritos Superiores vão precisar de coisas matérias, como, velas, despachos, charutos, farofa, cigarros, cachaça e sacrifícios de pobres animais??

    4) A reencarnação é uma Lei da Natureza, uma Lei natural e imutável do Grande Foco ou Deus.
    Essa Lei das reencarnações é a Lei do progresso moral e intelectual dos Espíritos, nenhum espírito é criado perfeito ou puro, todos são criados IGUAIS, todos tem a mesma Origem que é o Criador incriado ou Grande Foco, não existe espíritos privilegiados ou especiais na Obra Divina, todos sem exceção evoluem através de varias reencarnações, no qual eles vão se aprimorando no campo moral e no campo intelectual ate se tornarem Espíritos Superiores e Puros.
    Partimos da impureza para a pureza.
    Cada encarnação é uma oportunidade de crescimento e conquistas, temos que saber valorizar a nossa vida terrena como uma grande Escola de aperfeiçoamento, estamos no mundo terra é para brilhar a nossa Luz ( conquistar Virtudes) a Evolução é um processo de depuração.
    Ser bom, correto, honesto, educado, cordial, trabalhador, caridoso, solidário, combater os maus pensamentos, combater os vícios, combater os maus desejos, ajudar os necessitados, respeitar e amar os animais, isso tudo significa VIRTUDES que temos que adquirir em nossa jornada evolutiva.
    Evoluímos quando adquirimos as Virtudes divinas.
    Nós somos filhos da Grande Luz, nós somos partículas de Luz emanadas do Grande Foco e o nosso Dever de espíritos encarnados é trabalhar para nosso desenvolvimento moral e intelectual, vale apena ser bom, praticar o Bem, o amor e as virtudes, por que, sem as Virtudes ficaremos travados em nossa Evolução.
    Todos os espíritos são criados iguais, simples e ignorantes e todos evoluem mediante múltiplas reencarnações, sem favores e sem privilégios, cada espírito evolui pelo seu próprio esforça pessoal e sua luta.
    Os Espíritos Superiores de hoje já foram no passado espíritos inferiores, simples e ignorantes, eles foram progredindo como os outros espíritos.
    Deus o Grande Foco é Justo e Imparcial e suas Leis naturais e imutáveis são IGUAIS para todos os Espíritos.
    Todos evoluem através de varias reencarnações, essa é a Lei.
    Espíritos altamente Puros e Superiores como Jesus, Buda, Hermes, Sócrates, Platão, Luiz de Mattos, Krisna e outros, já foram espíritos inferiores, simples e ignorantes de evolução primaria, e eles evoluíram através de varias reencarnações.
    E os espíritos inferiores de hoje serão no futuro pela Evolução moral e intelectual Espíritos Puros e Superiores.

    5)O mundo espiritual ou plano astral é regulado pela Lei da Sintonia vibratória ou afinidade moral, os semelhantes se atraem e os diferentes se repelem, cada ambiente ou cada lugar tem um Padrão Vibratório próprio, formado pelos pensamentos, sentimentos e atitudes das pessoas que vivem nesses ambientes.
    Os Espiritos Elevados e os Bons espíritos são atraídos para ambientes que possuem um padrão vibratório positivo, vibrações positivas atraindo outras vibrações positivas, os maus espíritos são atraídos para ambientes que possuem uma faixa vibratória baixa e densa, vibrações baixas e negativas vão atrair outras vibrações baixas e negativas.
    Tudo é sintonia vibratória.
    Muitas vezes os Espíritos elevados ou Espíritos de Luz não podem ajudar uma pessoa, por que, ela se encontra em um ambiente de baixas vibrações mentais, nesses lugares que predominam discussões, palavrões, brigas, fofocas, intrigas, vícios, ódio, raiva, falsidade, racismo, desonestidade, o ambiente é pesado e negativo, portanto, o padrão vibratório é baixo, sendo baixo vai atrair outras vibrações negativas e pesadas.
    Os espíritos inferiores, perturbadores, embusteiros, maliciosos, obsessores são atraídos pelas vibrações mentais negativas e pesadas dos ambientes, é por isso que temos que criar um ambiente moralmente elevado com pensamentos nobres e positivos, para podermos elevar o Padrão Vibratória do ambiente e atrair a assistência luminosa dos Espíritos Superiores.
    O Bem tem sintonia com o Bem.
    O mal tem sintonia com o mal.

    Estamos cercados por espíritos desencarnados que tem uma certa afinidade com os nossos pensamentos, sentimentos e atitudes, essas inteligências desencarnadas nos observam constantemente, é por isso que devemos ORAR E VIGIAR para não cairmos nas influencias espirituais negativas, a nossa AURA muda de Cor e intensidade conforme o nosso estado mental e moral, quando estamos com pensamentos de raiva, ódio, medo, rancor, revolta, falsidade etc…
    Nossa Aura muda de Cor fica com cores escuras e turvas, e os espíritos desencarnados observam isso em nossa Aura e disso se aproveitam os maus espíritos para nos influenciar pelas intuições mentais.
    Eles sabem que estamos numa faixa mental baixa devido aos maus pensamentos, eles se aproximam pela sintonia vibratória e passam a nos acompanhar esperando uma oportunidade para atacar.
    Atacar como?
    Intuindo ou inspirando em nossa mente pensamentos de desanimo, preguiça, revolta, ódio, desejos de vingança, inveja, ciúmes, incentivando brigas, intrigas, fofocas, vicios e ate crimes. Eles procuram alguma brecha em nossa Mente, portanto, temos que vigiar nossos pensamentos, idéias, planos, desejos e impulsos, cuidado, quando eles se estalam a coisa fica perigosa.
    A terapia contra as Obsessões e as influencias espirituais negativas, esta na Disciplina Mental e Moral, mentalizar fortemente pensamentos elevados e nobres, praticar a Caridade e as Virtudes, manter uma Conduta moral reta no Cristo, cultivar a prece sincera, combater os maus pensamentos, combater os maus desejos, combater os vícios, dessa forma a pessoa consegue elevar seu Padrão Vibratório afastando os maus espíritos e atraindo os Espíritos de Luz.
    Atraindo o Bem o mal se afasta gradativamente, assim como o calor afasta o frio.

    6)A atmosfera terrena ou psicosfera esta repleta de formas pensamentos inferiores e de espíritos apegados a matéria, as paixões, aos vícios e desejos terrenos, existe milhões de espíritos desencarnados na atmosfera e na crosta terrestre, esses espíritos querem continuar a viver a vida material, eles querem saciar seus desejos e vícios e interferir na vida dos encarnados.
    Muitos desses espíritos são sofredores, outros são perturbados e perturbadores, outros são viciosos cheios de manias, vícios, desejos torpes, outros são vingativos e astutos, outros são mentirosos, embusteiros e mistificadores, outros são vampiros sugam os fluidos vitais das pessoas e também sugam os fluidos da nicotina, do álcool, das drogas, outros são maldosos sentem inveja das pessoas boas e corretas e procuram obsidiar essas pessoas, agem pela inveja do bem, são uns infelizes.
    Existe outros espíritos maldosos que se agrupam em bandos ou Falanges e trabalham de forma técnica para vampirizar e obsidiar as pessoas que são invigilantes com seus pensamentos e conduta moral, são os trabalhadores do mal, entidades das sombras.
    Nós os encarnados vivemos dentro dessa região espiritual inferior, por que, ela abrange a crosta e atmosfera terrena, muitos pesquisadores chamam essa região de astral inferior ou umbral.
    Esses espíritos desencarnados apegados a matéria e as paixões e vícios terrenos, possuem um perispirito denso, turvo, grosseiro e impuro e eles sofrem a Lei de gravidade e ficam retidos na psicosfera terrena, para afastar esses espíritos inferiores, perturbadores e obsessores, temos que entender o seguinte, não existem milagres, não existe protecionismo divino sobrenatural, tudo depende das nossas condições mentais e morais ( condições vibratórias), pela Lei das atrações psíquicas, os iguais se atraem e os diferentes se repelem, atraímos espíritos desencarnados que se identificam com os nossos pensamentos, sentimentos e atitudes.
    Vamos concluir disso tudo, que a Proteção espiritual quem faz é a própria pessoa, conforme seus Pensamentos e Conduta moral.
    Uma pessoa correta, honesta, caridosa, cordial, digna, sem vícios, com pensamentos positivos e nobres, repele naturalmente os maus espíritos, não havendo sintonia vibratória os maus espíritos se afastam.
    A Luz do Cristo repele os agentes das sombras.
    Temos que cultivar as Virtudes ensinadas pelo Grande Mestre Jesus o Cristo, pensar em Cristo, sentir o Cristo, praticar os ensinamentos do Cristo, é se iluminar, e a Luz espanta a escuridão.
    Nós somos filhos da Grande Luz, nós somos Luz, nós estamos na Luz, nós temos a Luz, nós evoluímos é na Luz.
    Essa Luz são as Virtudes, cada virtude que adquirimos mais força teremos para afastar os maus espíritos e atrair os Espiritos de Luz.
    As Virtudes esse é o caminho.
    Wilson Moreno

  51. Gabriel Bassi

    Boa explicação, mas sem fundamento.
    Gostaria que vc enviasse evidências científicas sobre o fato.

    Ficar no blábláblá é muito fácil. É conversa de auditório. Não faz as pessoas pensarem e ainda induz ao erro. Boa tentativa, mas desvia o assunto como muitos outros fizeram neste post.

    Wilson, FOCO!!

  52. Marcos Cesar

    Sugiro você céticos,”darem uma passada” lá no blog Ovni Hoje; mas, vão preparados, pois os debates lá, são bons bons…

  53. Marcos Cesar

    Sugiro vocês amigos céticos,”darem uma passada” lá no blog Ovni Hoje; mas, vão preparados, pois os debates lá, são bons bons…

  54. wa.minhoco@hotmail.com

    Faço gosto em contribuir também:

    Aos irmãos ainda não espíritas:
    “12. Em lógica elementar, para se discutir uma coisa, preciso se faz conhecê-la, porquanto a opinião de um crítico só tem valor quando ele fala com perfeito conhecimento de causa. Então, somente, sua opinião, embora errônea, poderá ser tomada em consideração. […]
    13. […] Ora, quanto mais elevada seja a posição que ocupemos na ciência, tanto menos escusável é que digamos levianamente, de um assunto que desconhecemos.”

    Aos irmãos espíritas:
    “20. Quando dissemos que a dúvida cessa nos incrédulos diante de uma explicação racional, excetuamos os materialistas extremados, os que negam a existência de qualquer força e de qualquer princípio inteligente fora da matéria. A maioria se obstina por orgulho na opinião que professa, entendendo que o amor-próprio lhe impõe persistir nela. E persistem, não obstante toda as provas em contrário, porque não querem ficar por baixo. Com tal gente, nada há que fazer; ninguém mesmo se deve deixar iludir pelo falso tom de sinceridade dos que dizem: fazei que eu veja, e acreditarei. Outros são mais francos e dizem sem rebuço: ainda que eu visse não acreditaria.”

    Quanto aos supostos embustes e ao fenômenos psicomedianímicos, não posso afirmar que ocorreram, mas são possíveis, tanto uns quanto outros. Quanto à Doutrina Espírita como modismo e falácia, sou obrigado a discordar do autor do artigo, como demonstra os textos acima, que são do tal francês Hypolite Rivail, que os escreveu em 1861, em O Livro dos Médiuns e que continuam atualíssimos e não tem o intento de enganar nenhum desavisado, pois ele mesmo dá várias advertências, para que tudo seja devidamente verificado e comprovado. Só posso sugerir a Kentaro Mori e aos demais a leitura das cinco obras básicas do Espiritismo, para depois, então, expressarem opinião minimamente abalizada. Quanto à FÉ dos céticos em uma revista americana sobre ceticismo (doutrina dos que afirmam que o homem não pode atingir a verdade absoluta), invejável.

    Muito obrigado.

  55. Por que nos prendemos a fenomenologia se o principio fundamental de qualquer ser humano é a evolução moral e ética! O espiritismo não tem e nem procura como qualquer outra `filosofia de vida`eu não falo de religião e sim de maneiras de se pensar na vida e como vivela da melhor maneira, pois os fenômenos mediúnicos podem sim ser fraudados mas o valor moral e ético de cada pessoa isso não pode ser fraudado cabe a qualquer um procurar a verdade dentro de si e não apontar os erros dos outros ou julgar por que a maior fraude que podemos cometer e a falta de bom-senso e a falta da razão pois ela e que nos da a oportunidade de melhorarmos como indivíduos.
    Religião é uma invenção do homem.
    Fenomenologia é apenas uma pequeníssima parte ( que não devemos nos preocupar ).
    Moral e ética isso sim é vital em 99,9% de tudo.
    Antes de julgarmos (não julgue) ou criar pontos (não existe verdade absoluta) de vista façamos uma analise de nós mesmos ai sim podemos tentar mudar a realidade dos outros.

    Grato paz no coração de todos.

  1. Pingback: Mente, cérebro … e alma? | Blog Cético

  2. Pingback: Mente, cérebro … e alma | Ateu.pt

  3. Pingback: Mente, cérebro … e alma? | André Luzardo

%d blogueiros gostam disto: