Arquivo da categoria: Uncategorized

Fim das atualizações

Já faz algum tempo que as atividades da SRUSP se encerraram por falta de colaboradores. Muitos dos membros fundadores terminaram seus cursos na USP ou simplesmente seguiram outros interesses e, infelizmente, não foram sendo substituidos por novos. Com as atividades encerradas, os canais de comunicação da sociedade também perderam sua razão de existir. Sendo assim, a partir de hoje este blog deixa de ser atualizado. O seu conteúdo no entanto continuará disponível como está.

CéticosLogo

Blog Cético reúne blogueiros céticos e racionalistas. Confira!

Alguns dos nossos ex-membros começaram um novo projeto que com certeza irá interessar os leitores deste blog, o Blog Cético. Convidamos a todos a conhecer e seguir.

Agradecemos ao esforço de todos os membros que ajudaram a tornar realidade, mesmo que temporariamente, a sociedade racionalista USP. Provamos que o conceito é viável e assim, talvez em um futuro próximo, outros voltem a construir sobre as fundações que criamos.

Agradecemos também aos nossos leitores pelo suporte e crítica.

Vejo vocês no Blog Cético. Abraço!

A falsificação de dados e o intelectualismo científico

1

Tempos atrás tivemos uma discussão na lista do Laboratório de Inflamação e Dor (LID), aqui da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP), relacionada à retratação de 172 artigos por um pesquisador japonês, o atualmente infame Yoshitaka Fujii. Felizmente os artigos retratados de Fujii não eram de grande impacto, e até as revistas em que publicou não tinham um fator de impacto muito alto, talvez isso tenha permitido o desenrolar de quase duas décadas de atos falhos. Mas fica no ar o porque desse “laissez faire, laissez passer” científico.

Aparentemente o forjamento e a cópia descarada de dados cada vez se alastra mais e mais no meio acadêmico. Podemos citar o exemplo de um pesquisador/professor brasileiro, aqui mesmo de dentro da USP de Ribeirão Preto, que, tendo culpa ou não, sendo conivente ou não com o ocorrido, foi destituído do cargo. Evento esse que deixou também em maus lençóis a reitora da USP na época.

Mas voltando ao Fujii, de acordo com o relatório de Carlisle, dos 249 artigos publicados por Fujii, em 212 deles foram encontrados dados inventados e fabricados, como acusações de forjamento da administração de drogas a pacientes e nomes de coautores que nunca tiveram ciência de estarem filiados ao trabalho. Seu caso ficou classicamente conhecido como o autor mais retratado da história, passando até mesmo o infame Joachim Boldt (curiosamente também um anestesiologista) com 90 artigos retratados (além daquele clássico e bombástico fiasco homeopático de Jacques Benveniste e seu eterno caso com John Maddox, editor da Revista Nature na década de 1980, o qual implodiu – cientificamente falando – suas pesquisas sobre “ultradiluições” (vulgo homeopatia), deixando Benveniste ter o privilégio de receber 2 prêmios IgNobel pela sua fantástica capacidade de obter resultados que nunca existiram, e mesmo assim insistir no erro).

Mas antes de condenar o Fujii à danação científica eterna, acho que há algumas perguntas a serem respondidas. Li o artigo do Carlisle sabatinando a produção do Fujii. Só que antes de atermos à crítica científica pura, se procurarmos mais aprofundadamente podemos perceber que desde 1993 já existia a fabricação de dados, porém somente a partir de 2000 começaram a surgir críticas. Como uma carta ao editor da revista Anesthesia & Analgesia, feita por Kranke e colaboradores em 2000, em que os autores criticam os dados de Fujii por serem “incríveis”, inclusive, ironicamente, citando isso no primeiro parágrafo do editorial

With increasing amazement, we noticed that the results reported by Fujii et al. are incredibly nice and we became skeptical when we realized that side effects were almost always identical in all groups.”

E numa nova revisão sistemática, Kranke e colaboradores (2001) criticaram (educadamente) na conclusão da revisão que “os resultados gerais e as características de dose-resposta podem ter sido alterados significativamente por um único centro de domínio” (que, nesse caso, era o centro de pesquisa do Fujii).  Outros apelos foram feitos, porém os trabalhos do Fujii ainda continuaram a serem aceitos e publicados por diversar revistas.

E somente em 2012 (isso é, 12 anos após a publicação do artigo do Kranke em 2000, e muito tempo depois de 1993) é que a revista Anesthesia & Analgesia publicou um editorial sobre uma possível fraude nos artigos de Fujii em todos esses anos. A partir daí, uma longa lista criticando os artigos do Fujii foram publicados, porém alguns com um atraso de mais de uma década pós-publicação (Archives of Otolaryngology — Head & Neck Surgery,), até chegarmos aos seus mais de 100 artigos retratados (até o momento, 172).

Mas ainda faltam perguntas a serem respondidas:

 1) O que realmente levou Fujii a falsificar dados?

2) Fujii teve ajuda de outros ou é o único culpado pelas falsificações?

3) Por que as revistas não analisaram corretamente as críticas dos artigos anteriores de Fujii (ex: Kranke e cols., 2000)?

4) O que se ganhou com isso?

Corrijo qualquer argumento falho de alguém que queira culpar o Fujii de charlatanismo ou até má-fé ou negligência profissional até que essas perguntas sejam respondidas. A culpa não é somente do Fujii, são dos editores e, em maior ou menor grau, nossa. Pois fomos nós que facilitamos para que os artigos do Fujii fossem passados adiante. E com certeza muitos outros artigos passam ou passaram pelos nossos olhos, e ou não sabemos ou não queremos enxergar erros. Essa é a nossa meaculpa. Ficamos presos ao nosso cientificismo de gráficos e asteriscos e deixamos de lado nossa parte teórica e crítica somente nas salas de aulas e cursos de graduação.

No mundo competitivo de hoje, com todas as pressões sobre o pesquisador (financiamento, chefes, relatórios, dados, publicações, renome, concursos), tudo é válido até que se prove o contrário (levando-se também em conta a Teoria da Falseabilidade de Karl Popper).

E cito, por final, uma frase que vi num dos editoriais da Revista Science sobre o assunto:

“If you get caught, you get sent to the back of the line.  But if you don’t cheat, you don’t get to the front of the line.”

A Distância Entre o Conhecimento Escolar e a Visão de Mundo

Por: Octavio da Cunha Botelho

Enquanto que em alguns países, que encabeçam o ranking de melhor qualidade de vida (IDH), medido pela ONU (Holanda, Austrália, Irlanda, Suíça, Reino Unido, Suécia, Finlândia, Canadá e Noruega), o número de pessoas que se declaram religiosas está diminuindo, noutras regiões do mundo este número cresce aceleradamente. Quem está desde muitos anos no meio religioso, ou acompanha a sua história, se lembra dos anos 1960-80, quando muitos jovens desistiam do Cristianismo de seus pais para se juntarem aos novos grupos de misticismo oriental, pois muitos destes jovens tomavam esta decisão porque acreditavam que o Cristianismo era uma religião decadente, destinada a desaparecer em breve.  Então, é curioso observar como nos países do topo do ranking do IDH a onda de misticismo oriental diminuiu para dar lugar a um crescente secularismo, enquanto que nos outros países, nas posições seguintes do ranking, o misticismo oriental diminuiu para dar espaço ao ressurgimento do Cristianismo, com exceção dos seguintes países: China, Cuba e Coréia do Norte.

Agora, um fato intrigante nos países onde a religiosidade está crescendo não é só a velocidade deste crescimento, mas surpreendentemente, também o aumento do número de religiosos com alta escolaridade.  O Brasil é um deles. Enquanto muitos pensam que religião é assunto para os desinformados, espanta testemunhar atualmente pessoas de alta formação acadêmica, ou mesmo profissionais de sucesso, envolvidos com as religiões tradicionais que, para os jovens das gerações de algumas décadas anteriores, eram instituições moribundas. O resultado é uma polaridade que coloca de um lado os elevados conhecimentos científicos e tecnológicos que fazem as pessoas exercerem suas profissões com brilhantismo, e do outro lado, uma visão de mundo com base em uma mentalidade obsoleta, que as leva a assumir um modo de vida religioso correspondente. O interessante é que, quando conversamos com estas pessoas, é curioso notar o contraste entre o alto nível das suas idéias seculares e das suas conquistas profissionais, com o baixo nível das suas concepções pessoais e da sua visão de mundo, sobretudo quando falam de valores e de religião.  Até parece que são pessoas que vivem em duas épocas distintas, ou seja, que profissionalmente vivem no século XXI, mas religiosamente vivem na Antiguidade ou na Idade Média. Elas falam de assuntos seculares com racionalidade e com cientificidade, no entanto, acreditam, ao mesmo tempo, em crenças tão infantis e ingênuas que até parece que não são as mesmas pessoas que estão falando.

Um dos exemplos mais intrigantes na comunidade científica é o de Francis S. Collins, um dos mais respeitados cientistas da atualidade, foi diretor do Projeto Genoma nos anos 2000, porém um cristão devoto. Em seu livro, A Linguagem de Deus (Editora Gente, 2007), é possível notar o brilhantismo de Collins quando fala de Biologia em contraste com a ingenuidade das suas idéias quando fala das suas convicções religiosas. Daí que é curioso questionar porque estas pessoas não transferem os seus conhecimentos científicos, recebidos na sua formação escolar, bem como os seus conhecimentos técnicos de profissão, para a formação de sua visão de mundo e da conseqüente escolha do seu modo de vida. O quando transferem, como no caso de Collins e outros, afirmam não encontrar nenhum conflito. Outros chegam até a fazer conciliações entre as idéias científicas e as crenças religiosas.

Este artigo não pretende analisar a questão acima desde todos os pontos de vista existentes, quer seja o social, o psicológico, o econômico e o político, mas apenas do ponto de vista educacional. Então, resta saber o que, no momento, causa esta distância cultural entre a educação escolar e a visão de mundo das pessoas. Por que elas não são capazes de conciliar seus conhecimentos seculares com sua visão de mundo?  Então surgem as perguntas: o que falta para que esta ponte seja feita? Quem seria o responsável na construção desta ponte?

O agente ideal para construir esta ponte, que ligaria a educação escolar com a formação da visão de mundo das pessoas e escolha de modo de vida, é a Filosofia. Uma das razões, que pretendo explicar aqui, é que esta ponte não foi até agora construída com solidez porque as escolas, tanto secundárias como universitárias, bem como a comunidade filosófica em geral, estão repletas de filósofos que são religiosos em sua vida privada (padres, pastores, ex-padres, teólogos, místicos, etc.).  De modo que, eles ensinam Aristóteles, os iluministas, Bertrand Russell, Sartre e outros nas escolas para depois ouvirem sermões e rezarem nas igrejas nos finais de semana. Se for certo que o exemplo vem de cima, então qual lado acreditar destes filósofos: o seu ensinamento filosófico nas escolas ou a sua convicção pessoal e religiosa?

O número de escolas com disciplina de Filosofia está aumentado no Brasil, mas este aumento poderá ser inócuo, pois está aumentando também o número de professores carolas. Que efeito terá ensinar Filosofia no horário de aula, e depois o mesmo professor falar de sua admiração pelas crenças religiosas nos corredores da escola nos intervalos das aulas? Qual ensinamento os alunos assimilarão?

Uma vez que as escolas secundárias e as universidades não são capazes de corrigir esta deficiência, aumenta-se, cada vez mais, a formação de grupos, de associações, de ligas e de sociedades seculares e ateístas para tentar cobrir este buraco, que a Filosofia não foi capaz de tapar, por conta do grande número de professores carolas, entre os conhecimentos que os estudantes recebem nas escolas e o aproveitamento dos mesmos para a formação de suas visões de mundo e da escolha do modo de vida.  Este trabalho tem de ser feito pela Filosofia, uma vez que a Ciência não é um empreendimento de formação e de julgamento de valores, esta tarefa é da Filosofia, portanto é ela quem tem que construir esta ponte entre o conhecimento científico e a formação de visão de mundo de cada indivíduo, através do juízo de valores seculares. Do jeito que está a situação atual, as pessoas instruídas sabem fazer uso da Ciência e da tecnologia em assuntos seculares, mas na hora de fazer juízo de valores, elas ainda recorrem à religião, pois não aprenderam a fazer estes juízos a partir da cultura secular que receberam na escola, pois esta função cabe à Filosofia.

Por exemplo, segundo levantamentos, o número de pessoas que ainda acredita que o mundo foi criado por deus é muito maior do que o número daquelas que acreditam que o mundo é produto da evolução. Surpreende quando encontramos muitos diplomados em universidades que ainda acreditam na criação divina.  A razão da sobrevivência de tal crença pode ser que, ao analisarem a criação do mundo, estas pessoas a associam à vida e, conseqüentemente, a um significado, a um sentido e a uma finalidade para a existência humana, de maneira que não separam o mundo e a vida de um lado e o destino humano de outro. Para elas, o mundo e a vida existem, como se pensava na Antiguidade e na Idade Média, em razão do destino humano. Uma vez que não é o papel da ciência determinar o significado e a finalidade para a vida e o destino humano, as pessoas continuam a se prender às concepções religiosas quando refletem sobre a criação do mundo.

A Filosofia Contemporânea tem a tarefa de esclarecer esta separação entre o mundo e o destino humano, bem como, a de explicar como a cultura religiosa, no passado, criou esta associação, que se tornou tão entranhada na mentalidade humana.

De maneira que, o trabalho destas associações e sociedades de levar a cultura de valores seculares à população será muito penoso, em virtude do estrago deixado pelo mau exemplo dos filósofos carolas. Por exemplo, a Racionalist International, uma associação secular sediada na Índia, mantém um programa, com autorização do governo, através de agentes desta associação que visitam regularmente as escolas secundaristas daquele país, para falar do valor e da importância do pensamento racional e da Ciência, uma vez que lá a Filosofia Ocidental não é ensinada nas escolas. Agora, será que, mesmo com o ensino da Filosofia nas escolas aqui, a implantação de um mesmo programa será necessária e conseguirá reverter a situação?  Será possível um dia erradicar a carolice do ambiente filosófico?  Bem…  só a Evolução sabe!

http://octaviobotelho.blogspot.com.br/