Arquivos do Blog

Espiritismo passando por ciência na revista Época

Em um estudo recente, uma técnica de imagem cerebral foi usada para investigar o cérebro de médiuns durante a psicografia. Os resultados (apenas preliminares) condizem com fatos já estabelecidos em outros estudos sobre expertise. Curiosamente, os autores sugerem que os resultados também ‘são consistentes com a noção de escrita (não consciente) automática e da alegação de que uma “fonte externa” estava planejando o conteúdo da escrita.’ Estariam os autores sugerindo que a fonte externa são espíritos?

Steve Novella fez uma análise (traduzida aqui) do estudo que é bem completa e com a qual estou de pleno acordo. Mas é em uma matéria da jornalista Denise Paraná na revista Época, com o título sugestivo ‘os avanços da ciência da alma’, que os autores afirmam definitivamente o que no estudo apenas sugerem, e vão além ao defender que a mente pode ser imaterial e independente do corpo.

A reportagem começa descrevendo o encontro da jornalista com os médiuns nos EUA, a biografia dos autores, os objetivos e motivação do estudo e outros detalhes de fundo. A interpretação ‘espírita’ do estudo, que no paper fica apenas subentendida, é agora exposta de maneira clara e promocional:

Surpreendentemente, durante a psicografia os cérebros ativaram menos as áreas relacionadas ao planejamento e à criatividade, embora tenham sido produzidos textos mais complexos do que aqueles escritos sem “interferência espiritual”. Para os cientistas, isso seria compatível com a hipótese que os médiuns defendem: a autoria das psicografias não seria deles, mas dos espíritos comunicantes.

Nenhuma tentativa de análise crítica é apresentada e essa interpretação é aceita sem discussão.

A reportagem segue por um detour propagandístico e acrítico pelo espiritismo. Como já é de praxe na mídia brasileira, a jornalista exalta e glorifica Chico Xavier:

Mineiro de família pobre, fala mansa e sorriso tímido, Chico Xavier recebeu apenas o ensino básico. Isso não o impediu de publicar mais de 400 livros, alguns em dez idiomas diferentes, cobrindo variados gêneros literários e amplas áreas do conhecimento. Ao final da vida, vendera cerca de 40 milhões de exemplares, cujos direitos autorais foram doados. Psicografou por sete décadas. Nenhum tipo de fraude foi comprovada.

Pelo menos uma fraude envolvendo Chico Xavier foi muito bem comprovada e documentada, a da médium Otília Diogo. Além desse detalhe, há também muitas razões para se duvidar das alegações de médiums como Chico Xavier. Se é verdade que um médium pode canalizar o espírito de um morto, por que nenhum médium jamais psicografou a prova de algum teorema matemático desconhecido? Por que sempre o material psicografado é vago ou alegadamente advém de autores de literatura cuja autenticação e avaliação são necessariamente subjetivas?

A seguir a jornalista cita vários nomes famosos dos séculos XIX e XX, alguns de cientistas, que aparentemente interessaram-se por mediunidade em algum momento de suas vidas:

“Se eu pudesse recomeçar minha vida, deixaria de lado tudo o que fiz, para estudar a paranormalidade.” Essa confissão de Sigmund Freud a seu biógrafo oficial, Ernest Jones, marca um dos capítulos pouco conhecidos da história do pensamento humano. […] Talvez menos gente saiba que Marie Curie, a primeira cientista a ganhar dois prêmios Nobel, e seu marido, Pierre Curie, também Nobel, dedicaram espaço em suas atribuladas agendas ao estudo de médiuns. […] Quem seria capaz de imaginar isso hoje?

Quase ninguém seria capaz de imaginar isso hoje exatamente pelo fato de que esses fenômenos foram investigados e descartados como fraude. Casos de mediunidade começaram a aparecer em 1848 após as irmãs Fox em New York terem alegado ser capazes de comunicarem-se com espíritos através de batidas em uma mesa. Trinta anos depois as irmãs admitiram ser tudo uma fraude: as batidas eram na verdade o som de estalos dos seus dedos dos pés embaixo da mesa. Nesse ínterim a novidade espalhou-se e alegações de mediunidade surgiram em muitos outros países. Várias personalidades foram persuadidas pelos feitos aparentemente extraordinários até que Harry Houdini (outro nome famoso mas que a jornalista esquece de citar) expôs a farsa pelo que realmente era: truques de magia de salão.

Ao contrário do que a reportagem dá a entender, não foram apenas alguns casos isolados de fraude que fizeram a ciência perder o interesse e sim a ausência, mesmo em meio a uma grande quantidade de alegações, de qualquer evidência de fenômenos mediúnicos reais.

A matéria continua com alegações aparentemente proferidas por cientistas:

Muita coisa não cabe dentro do discurso que prevalece hoje na ciência. Pesquisadores da área acreditam que a telepatia do médium com o consciente ou o inconsciente daquele que deseja uma comunicação espiritual não explica psicografias nas quais se revelam informações desconhecidas das pessoas que o procuram.

A afirmação de que médiuns são capazes de comunicação telepática é surpreendente e portanto necessita de forte evidência, não basta apenas dizer que ‘pesquisadores da área acreditam’. Quem são esses pesquisadores e onde estão os estudos?

Num fenômeno em que comprovadamente não houvesse fraude ou sugestão inconsciente, sobrariam apenas duas hipóteses: ou haveria a capacidade do médium de captar informações em outro espaço e tempo; ou existiria mesmo a capacidade de comunicação entre o médium e o espírito de um morto.

Como poderíamos comprovar a ausência de fraude ou sugestão inconsciente? Mesmo que fosse possível descartar todo tipo de truque conhecido sempre há a possibilidade do médium utilizar um truque novo completamente desconhecido. Ausência de evidência (de fraude) não é evidência de ausência (de fraude). Informações psicografadas podem ser obtidas de muitas, talvez infinitas, maneiras não-paranormais. Portanto não é verdade que sobrariam apenas hipóteses paranormais; é muito mais provável que algo bem normal esteja por trás de uma alegação mediúnica.

O pesquisador Alexander Moreira-Almeida, coautor do estudo e diretor do Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde (Nupes), da Universidade Federal de Juiz de Fora, é o principal responsável por colocar o Brasil em destaque nessa área no cenário internacional. […] Ele afirma que a alma, ou como prefere dizer, a personalidade ou a mente, está intimamente ligada ao cérebro, mas pode ser algo além dele. Para esse psiquiatra fluminense, pesquisas sobre experiências espirituais, como a mediunidade, são importantes para entendermos a mente e testarmos a hipótese materialista de que a personalidade seja um simples produto do cérebro. Moreira-Almeida lembra que Galileu e Darwin só puderam revolucionar a ciência porque passaram a analisar fenômenos que antes não eram considerados. “O materialismo é uma hipótese, não é ainda um fato cientificamente comprovado, como muitos acreditam”, diz Moreira- Almeida.

A equação mente = alma não é levada a sério pela esmagadora maioria de neurocientistas por dois motivos, um empírico e outro filosófico. O motivo empírico é que não há evidência alguma de que exista alma ou espírito; todos os casos investigados de mediunidade não passaram de fraude e tampouco existe qualquer evidência neurológica da existência dessas entidades. Ao contrário, toda evidência mostra que a mente é um produto do cérebro. Pacientes que perderam partes do cérebro devido a derrames ou outros acidentes perdem também as funções pelas quais aquela área era responsável (embora em certas ocasiões o cérebro possa recuperar parte das funções perdidas recrutando áreas adjacentes). Estimulação elétrica ou magnética do cérebro, assim como a administração de certos compostos químicos, causam experiências consideradas como mentais. Nada disso precisaria acontecer fosse a mente independente do cérebro. O motivo filósofico diz respeito aos problemas do próprio conceito de alma como algo imaterial mas com existência própria. Adversários do materialismo precisam explicar em que sentido algo imaterial pode existir e como algo imaterial pode influenciar algo material.

A matéria acaba com um levantamento da opinião popular:

Dados do World Values Survey revelam que a maioria da população mundial acredita na vida após a morte. Em todo o planeta, um número expressivo de pessoas declara ter se sentido em contato com mortos […] Para a maioria da população, a visão materialista parece deixar um vazio atrás de si.

A jornalista parece estar sugerindo que apliquemos uma falácia lógica conhecida como apelo à massa: se muitos acreditam em X então X deve ser verdade. Não, obrigado.

Conclusão

Através de um raciocínio acrítico e falacioso, a reportagem dá a entender que 1) as alegações do espiritismo são convincentes e 2) a ciência está finalmente dedicando-se a estudar fenômenos espíritas.

Como vimos, o estudo publicado na Plos One não teve como objetivo demonstrar que a psicografia é de fato um fenômeno paranormal e nem mostra evidências para isso. No entanto, não só a jornalista como alguns dos autores do estudo alegam o contrário e vão ainda além ao sustentar uma versão do dualismo alma x corpo já há muito descartada pela neurociência moderna.

A matéria está mais para proselitismo espírita do que para jornalismo. Uma pena, pois todos nós perdemos quando a mídia confunde religião com ciência.

A Neurologia das Experiências de Quase Morte

Assunto infelizmente recorrente nos círculos acadêmicos brasileiros é a alegação que o espiritismo é uma ciência e/ou é comprovado por evidências científicas. Nossa própria USP-RP conta com um grupo de estudos em espiritismo e ciência, organizado por um estudante de medicina e uma estudante de enfermagem, que dentre outras coisas alega possuir evidências conclusivas da existência de espíritos. Apesar de alguns membros intrépidos da Sociedade Racionalista já haverem comparecido às reuniões, os organizadores até agora falharam em lhes mostrar as tais evidências.

escrevi sobre um grupo de pesquisa de uma universidade federal, o NUPES, que em suas publicações parece sempre chegar a resultados positivos sobre intervenções religiosas (uma sessão com um médium por exemplo). Porém, uma análise mais detida dessas publicações mostra que nenhuma investigação experimental controlada foi feita, que as conclusões são quase exclusivamente baseadas em estudos de caso ou revisões bibliográficas e que os supostos ‘efeitos positivos’ da intervenção religiosa são relatados de forma vaga e sem descrição quantitativa. No entanto a idéia que o NUPES parece querer passar fica sempre clara: (1) intervenções religiosas como cirurgias espíritas, consultas com médiuns, reza, etc, são eficazes; (2) a explicação sobrenatural destes fenômenos não pode ser completamente verificada mas é válida e não pode ser descartada. E de acordo com o coordenador do NUPES, Alexander Moreira de Almeida, existem até mesmo evidências de casos genuínos de mediunidade, reencarnação e experiências de quase morte.

No que diz respeito a mediunidade e reencarnação, não só não existem evidências de que esses fenômenos são genuínos como abundam confissões e evidências de fraude. Médiuns como Chico Xavier dizem ter canalizado espíritos de escritores e produziram como ‘prova’ livros de literatura e poesia que poderiam muito bem ter sido escritos por qualquer pessoa, mas nunca escreveram uma simples equação matemática ou química nem descreveram nenhuma teoria complexa que um ‘espírito matemático/cientista’ poderia estar trabalhando em um suposto mundo espiritual. O que é mais provável: que espíritos de cientistas/matemáticos não vão para o mundo espiritual ou que o médium não entenda nada de matemática/física/química para fabricar uma equação que possa enganar um cientista experiente? A fundação James Randi oferece um prêmio de 1 milhão de dólares a qualquer um que mostrar evidências de paranormalidade ou poder sobrenatural. Até hoje ninguém passou nem pelos testes preliminares.

Quanto às experiências de quase morte, o post seguinte, retirado do excelente blog Ceticismo Aberto, mostra que essas também não parecem ter nada de sobrenatural.

________________________________________

astral projection ceticismo

Artigo de Alex Likerman, publicado em Happiness in this World
Traduzido por colaboração de Rodrigo Véras e André Rabelo

Eu nunca tive um paciente que confessasse ter tido uma experiência de quase morte (EQM), mas recentemente me deparei com um livro fascinante chamado O Portal Espiritual no Cérebro (The Spiritual Doorway in the Brain) de Kevin Nelson, que relata que cerca de 18 milhões de americanos podem ter tido uma. Se for verdadeé provável não apenas que alguns dos meus pacientes estejam entre eles, mas também alguns dos meus amigos. O que me levou a pensar: o que exatamente a ciência tem a nos dizer sobre a sua causa?

Que EQMs acontecem não está em disputa. A sequência e os tipos de eventos dos quais elas são compostas são suficientemente similares entre as pessoas que as relatam de tal forma que EQMs poderiam ser consideradas como algum tipo de síndrome, semelhante a uma doença sem causa conhecida. Mas apenas porque milhões de pessoas já viveram EQMs, isso não significa que a explicação mais comumente aceita para elas – que almas deixam os corpos e encontram deus ou alguma outra evidência de vida após a morte – esteja correta.

Afinal de contas, as pessoas interpretam erroneamente as suas experiências o tempo todo (uma ilusão ótica representando o exemplo mais básico). Sem dúvida, muitas pessoas que relatam EQMs são profundamente afetadas por elasmas, geralmente, mais como um resultado de suas interpretações das experiências (i.e., “a vida após a morte é real”) do que como resultado da experiência em si. Acontece que um número de observações reproduzíveis combinado com uma pitada de conjecturas gerou uma explicação neurológica inteiramente plausível para todos os casos de experiências que incluam EQM.

Em seu livro, Nelson comenta que normalmente 20% do fluxo sanguíneo é direcionado para o cérebro, mas que este fluxo pode abaixar para 6% antes de ficarmos inconscientes (e mesmo nesse nível, nenhum dano permanente será causado). Nelson ainda observa que quando nossa pressão sanguínea diminui demais e desmaiamos, o nervo vago (um longo nervo que se conecta com o coração) desloca a consciência para o sono REM – mas não totalmente em algumas pessoas. Um número de sujeitos parece ser suscetível ao que ele chama de “intromissão REM”.

A intromissão REM ocorre tipicamente, quando ocorre, na transição da vigília para o sono. Nelson descobriu em sua pesquisa que o funcionamento do mecanismo que alterna as pessoas entre o sono REM e a vigília tendeu a ser diferente naquelas que relataram EQMs. Nessas pessoas, ele descobriu que a mudança era mais propensa a “fragmentar e misturar” esses dois estados de consciência (o controle do nosso estado de consciência é localizado no nosso tronco cerebral e é precisamente regulado), fazendo com que essas pessoas exibam simultaneamente características de ambos. Durante a intromissão REM, as pessoas se viram paralisadas (“paralisia do sono”), totalmente despertas, mas experimentando luzes, sensações fora do corpo e narrativas surpreendentemente vívidas. Durante o sono REM, muitos dos centros de prazer do cérebro são estimulados também (animais que tiveram suas regiões REM danificadas perderam todo o interesse em comida e até em morfina), o que pode explicar os sentimentos de paz e unicidade também relatados durante EQMs.

centrifuge blackout ceticismo

A neurofisiologia também pode explicar o sentimento de estar se movendo através de um túnel, tão regularmente mencionado em EQMs. É bem sabido que pessoas experimentam uma “visão de túnel” imediatamente antes de desmaiar. Experimentos com pilotos girados em centrífugas gigantes têm reproduzido o fenômeno de visão de túnel, aumentando as forças G e diminuindo o fluxo sanguineo em suas retinas (a periferia da retina é mais suscetível a quedas na pressão sanguínea do que o seu centro, de tal forma que o campo de visão parece comprimido, fazendo cenas parecerem vistas dentro de um túnel). Quando óculos especiais que geram sucção foram colocados nos olhos dos pilotos para neutralizar o efeito de queda da pressão sanguínea da centrífuga, os pilotos perderam a consciência sem desenvolver o efeito da visão de túnel – provando que a experiência da visão de túnel é causada por uma redução no fluxo sanguineo dos olhos.

Talvez o aspecto mais intrigante das EQMs seja o quão costumeiramente elas estão associadas com experiências fora do corpo. Isso também, entretanto, trata-se de uma ilusão. Evidências de que experiências fora do corpo nada têm a ver com almas deixando corpos podem ser encontradas na observação de que elas também têm sido relatadas por pessoas acordando do sono, recuperando-se de anestesia, enquanto estão desmaiando, durante convulsões, durante enxaquecas e quando estão em altas altitudes (não há razão para pensar que as almas das pessoas estão deixando seus corpos durante nenhuma dessas situações não ameaçadoras para a vida).

Mas as evidências mais fascinantes de que experiências fora do corpo são fenômenos neurológicos vêm dos estudos feitos inicialmente na década de 1950 por um neurocirurgião chamado Penfield. Ele estava interessado em compreender como poderia distinguir tecidos cerebrais normais de tumores cerebrais ou “cicatrizes” que eram responsáveis por causar convulsões. Ele estimulou os cérebros de centenas de pacientes conscientes no esforço de mapear o córtex cerebral e entender aonde em nossos cérebros nosso corpo físico é representado.

Um paciente sofria de danos no lobo temporal e quando Penfield estimulou a região temporoparietal do seu cérebro, ele relatou ter deixado o seu corpo. Quando a estimulação parou, ele “voltou”, e quando Penfield estimulou a região temporoparietal de novo, ele deixou o seu corpo mais uma vez. Penfield também descobriu quando variava a corrente e a localização do estímulo, podia fazer os membros do seu paciente parecerem encurtados ou produzir uma cópia de seu corpo que existia ao seu lado!

Em o Cérebro Contador de Histórias (The Tell-tale Brain)V. S. Ramachandran descreve um paciente que teve um tumor removido da sua região frontoparietal direita e desenvolveu um “gêmeo fantasma” ligado ao lado esquerdo do seu corpo. Quando Ramachandran colocou água fria no seu ouvido (um procedimento conhecido como teste calórico de água fria, o qual estimula o sistema de equilíbrio do cérebro, conhecido por ter conexões com a região frontoparietal), o gêmeo do paciente se afogou, movimentou-se e mudou de posições.

Neurologistas têm reconhecido desde então que a região temporoparietal do cérebro é responsável por manter a representação de nossos esquemas corporais. Quando uma corrente externa é aplicada nessa região, ela para de funcionar normalmente e nossa representação do corpo “flutua”. Outras evidências de que esse fenômeno é uma ilusão vêm de experimentos nos quais as pessoas que tiveram experiências fora do corpo enquanto passavam do sono para a vigília eram incapazes de identificar objetos colocados no quarto depois que adormeciam, sugerindo fortemente que a imagem que viram deles mesmos dormindo nas suas camas era reconstruída em sua memória. Embora não exista ainda nenhuma evidência de que níveis baixos de oxigênio no sangue causem disfunção da região temperoparietal da mesma forma que uma corrente aplicada, esta permanece como uma hipótese testável e a explicação mais provável.

Em suma, embora longe de estar provada como uma explicação para o que realmente explica as EQMs, a hipótese da intromissão REM tem mais evidências para corroborá-la do que a idéia de que nós realmente deixamos nossos corpos quando a morte está à espreita.

– – –

Mais informações sobre experiências de quase morte:

***